Igreja nas Casas ou Casa uma Igreja?

Igreja nas Casas

Quando descobri que Igreja não era um prédio isso mudou minha vida, já era um dito cristão, mas vivia uma vida sem compromisso com Deus e o evangelho. Não só pela falta de entendimento, mas por falta de vergonha na cara mesmo. Claro que a falta de entendimento também nos leva a uma falta de responsabilidade.

O que mudou então quando entendi que pessoas eram a igreja e não um prédio? Digo que tudo mudou, pois agora o lugar sagrado não é aquele que frequentamos domingo, mas sim nossas vidas, santo não é o “santuário”, mas eu. Agora tenho necessidade de ter reverência demonstrada na minha vida, não só me comportar bem em uma reunião.

Outra questão importante foi quando comecei a ler as escrituras e alguns livros e ver que as reuniões da Igreja não precisavam ficar limitadas a um dia da semana em um lugar especial. Assim com os primeiros discípulos a igreja poderia se reunir publicamente e de casa em casa.

Isso foi fantástico igreja em uma casa, pessoas que compartilham da mesma fé juntas e buscando ao seu Deus em suas casas, abrindo seus corações, orando por questões comuns, desfrutando de uma amizade verdadeira que não está limitada a um dia da semana, aprendendo a criar seus filhos, lidar com suas fraquezas, podendo demonstrar quem são de verdade, sem capa de religiosidade, que maravilha.

Aí vem a primeira decepção, começo a perceber que muitos irmãos que se dizem igreja não vivem como igreja e tratam o lugar de reunião como igreja, mesmo sem dizer que aquele lugar é igreja.

Então vem a segunda decepção mais irmãos que levam para as casas o mesmo protocolo de um culto convencional só que substitui a oferta pelo lanche no final. O resto é tudo igual.

Não sei se dá vontade de rir ou chorar…

Graças a Deus pela sua misericórdia que nos suporta e nos ensina cada dia a nos parecer mais com seu filho Jesus, igreja nas casas, igreja tradicional, igreja orgânica, igreja emergente, igreja missional, igreja comunidade, sem nome, com nome, denominação, movimento, blá blá blá.

Tenho chegado à conclusão de que o que importa mesmo é o cumprimento da missão ser e fazer discípulos.

Cumprir o propósito eterno de Deus de sermos uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus para glória de Deus. Discipular e transformar as nações tocando e influenciando cada aspecto de nossa sociedade com o evangelho do Reino.

Porque dele, por meio dele, Para ele são todas as coisas.

Que possamos nos abrir para que o Espírito Santo e nossos irmãos cooperem para transformar nossa essência por que a forma, na boa, pouco importa. O que importa realmente é o conteúdo, acredito que o conteúdo molda nossa forma e não o contrário. Uma questão em relação à forma, acredito que ela precisa ser flexível bastante para não impedir o avanço do Reino.

Tire suas próprias conclusões.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Características da Movimentação Apostólica

movimento apostólico

Movimento Apostólico, conheça as características dessa movimentação.

Vamos prosseguir com o assunto tratado no artigo  que fala sobre a necessidade de uma movimentação apostólica neste tempo, veremos algumas características dessa movimentação.

Primeiro vamos definir o termo apóstolo, muitas vezes esse termo é definodo como enviado, porém ele é mais profundo do que simplesmente alguém enviado para uma missão. O termo APOSTOLO = ENVIADO COM UMA FUNÇÃO que pode ser comparado com mensageiro, delegado, enviados para expansão geopolítica nos tempos do império romano, reconhecimento de uma autoridade, procurador, aquele que substitue quem o envio. Os melhores termos para definir apostolo são procurador ou administrador.

Vamos agora as características:

– Reposicionar o povo de Deus essa foi a primeira missão apostólica (Mt 10:6  “Antes, dirijam-se às ovelhas perdidas de Israel.”) isso fala sobre restaurar a identidade da igreja.

– Proclamação do Evangelho do Reino.

Fazer Discípulos

– Fortalecer e encorajar os discípulos.

– Estabelecer governo nas comunidades formadas. (At 14.21-23)

– A essência do ministério apostólico é de ser um despenseiro = administrador dos mistérios de Deus (1Co4.1) e Ministro = Remador de baixa categoria ou oficial de justiça.

– Criar acesso , chamados para incluir, assim como Paulo fez. (Ef 2.19-22, Rm 5.2, Ef3,2) Gerar acesso para a missão que temos diante de nós.

– Característica de gerar = trazer outros ao modo de vida de Cristo.

– Homens que tem credenciais, sinais, prodígios e milagres os acompanham. (2Co12.2)

– Serviço de preparar pessoas e apresenta-las a Deus (Rm15.16)

– Destruir fortalezas, destruir raciocínios e levar cativos pensamentos a Deus (2Co10.4)

– Solucionar problemas que surgem na igreja (1Co1.10)

Atrair e distribuir recursos financeiros.

– Implementar esses recursos.

Importante ressaltar que o apostólico está diretamente relacionado a igreja (Mt16.19, Mt18.15-20) tem como missão gerar missão e trazer desenvolvimento, gerar expansão da igreja e na igreja que são duas coisas diferentes.

Apóstolos são pessoas com uma visão ampla, possuem um olho na igreja e outro onde a igreja não está, quando outros serviços se alinham com eles se tornam apostólicos. Sua função é assegurar que toda a igreja na cidade se torne apostólica.

Muitos apóstolos são pessoas empreendedoras que se envolvem em negócios, possuem envolvimento missional, são pessoas rompedoras de limites. Apóstolos abrem novos espaços, são formadores de rede e estão comprometidos com o aperfeiçoamento que fala de capacitação, fortalecimento, restituição, reparo, arranjo, ajuste, colocar em ordem. O Aperfeiçoamento tem haver com uma atividade e não simplesmente com o ensino.

Que possamos descobrir e reconhecer pessoas apostólicas e apóstolos e nos conectar com eles para que todo o corpo possam se movimentar da melhor forma possível.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Movimentação Apostólica

estrada caminho apostoloEstamos vivendo tempos de restauração, temos identificado que este é o momento pontual para trabalharmos dentro desse funcionamento. Essa questão de apóstolos e profetas, apostólico e profético tem sido muito mal interpretada e mal aplicada, mas isso não nos isenta da responsabilidade e necessidade de nos movimentarmos nesse funcionamento como igreja e de reconhecer essas funções no corpo.

Apostolo não é um cargo e sim uma função da mesma forma que apostólico é um funcionamento.

Desde muitos anos atrás a restauração é clara em meio a história da Igreja desde a reforma a igreja vem restaurando as funções que a capacitam a funcionar como corpo. Você pode saber mais sobre restauração neste texto.

Em Mateus 9.35 temos um exemplo da movimentação apostólica.

“Jesus ia passando por todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando as boas novas do Reino e curando todas as enfermidades e doenças.“ Mt 9.35 

Vemos que a movimentação de Jesus era passando pelas cidades, entrava em povoados e ensinava nas sinagogas. Esse é um exemplo que deve ser observado e seguido precisamos estar envolvidos com as questões das cidades e a partir das congregações equipar as pessoas para que a diferença seja feita na cidade. Muitas vezes vemos a igreja como um fim em si mesmas e isso acaba sendo ruim para todos.

Uma questão muito interessante também é que cada parte da grande comissão mostrada nos evangelhos e em atos nos revelam uma característica que pode ser comparada com cada uma das cinco funções ministeriais para o corpo de cristo.

Mateus 28.18-20 – Ênfase no Ensino função do Mestre ensinar a ensinar.

Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”.  

Marcos 16.15-18 – Ênfase no Evangelismo função do Evangelista capacitar a igreja a pregar a toda criatura.

“E disse-lhes: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas.  Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas;  pegarão em serpentes; e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal nenhum; imporão as mãos sobre os doentes, e estes ficarão curados”. “

Lucas 24. 44 – Ênfase no profético fala de cumprimento, os Profetas precisam capacitar a igreja a enxergar, o que tem se cumprido e o que está para se cumprir e capacitar outros a enxergar  e profetizar.

E disse-lhes: “Foi isso que eu lhes falei enquanto ainda estava com vocês: Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito estava escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.

João 20 22,23 – Ênfase no perdão do individuo, relacionado a função dos Pastores que trabalham para apascentar e capacitar outros a apascentar o rebanho de Deus.

“E com isso, soprou sobre eles e disse: “Recebam o Espírito Santo. Se perdoarem os pecados de alguém, estarão perdoados; se não os perdoarem, não estarão perdoados”.”

Atos 1.8 – Ênfase na movimentação, função apostólica capacitar a igreja a se movimentar de forma estratégica sobre as cidades.

“Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. “

A movimentação apostólica é importante, pois ela traz para a igreja o senso de missão. Capacitam a igreja a se movimentar de forma estratégica por regiões, existe todo um processo que precisa ser cumprido o os apóstolos e pessoas apostólicas vêm para auxiliar todo o corpo a completar e caminhar sobre esses processos.

Que possamos aprender a nos movimentar como o Espírito anseia que nos movimentemos.

No Amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Ampliando o Entendimento sobre Reino de Deus

Pegando carona no último posto sobre Reino de Deus acredito ser oportuno compartilhar com vocês esses slides que foram passados na ECAP em Cabo Frio ministrada pela equipe do Rugido do Leão. 

“O Reino de Deus não é um lugar, umterritório. Não é o céu. Não é a Igreja. Não éuma coisa, um objeto, um estado. O Reino deDeus é uma ação. Essa ação é um ato, é arealidade mais absoluta do universo. O Reino de Deus é o reinar de Deus”  Fábio Souza

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Apóstolos e Profetas

“…edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo Jesus Cristo como pedra angular, no qual todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um santuário santo no Senhor.” Ef  2.20,21 (Grifo do autor).

Apostolos e Profetas na Igreja“Assim, na igreja, Deus estabeleceu primeiramente apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois os que realizam milagres, os que têm dom de curar, os que têm dom de prestar ajuda, os que têm dons de administração e os que falam diversas línguas.” 1Co12.28 (Grifo do autor).

Pensando sobre esses textos e observando o quadro da Igreja atual, (não vou gastar perder meu tempo criticando não) tenho refletido sobre duas questões:

O que é ser o primeiro?

O que é lançar o fundamento?

Quando ouvimos que os Apóstolos e Profetas são os primeiros parece ser aqueles que detém todo o poder, aquele que manda, aquele que está no topo da pirâmide da hierarquia clerical. Interessante que os primeiros discípulos de Jesus já pensaram assim e o Mestre os exortou e explicou que não seria dessa forma entre nós (Lc 22.25-27). O maior é o que serve.

Engraçado olhar para esse texto e observar a postura dos chamados apóstolos do nosso tempo, mas esse não é nosso foco. O que desejo enfatizar é que existe uma lógica presa em nossas mentes que nos impedem de enxergar a forma do reino de Deus para isso nossa Cosmovisão precisa mudar.

Beleza, mas eai?

Quando Paulo, o apóstolo escreve o texto de 1Co12.28 e Ef 2.20,21 ele está descrevendo a mesma figura ele está falando da Igreja como uma casa, como um santuário composto de pedras vivas ele está usando a mesma figura de Mateus 16.18 aquela que Jesus usa para abençoar Pedro e a revelação que o Pai lhe deu sobre a Igreja.

Então o que é um fundamento ou a fundação de uma casa? Simples, aquilo que fica por baixo.

Agora parece que as palavras de Jesus e de Paulo começam a se encaixar.  Se os apóstolos e profetas são os que lançam os fundamentos e o fundamento é Cristo que está neles.  Eles não podem simplesmente lançar e sair como alguém que lança concreto no alicerce de uma casa. O exemplo destes homens é o próprio concreto que é lançado para que a igreja cresça sobre este exemplo de vida em Cristo assim como foi com Jesus.

A Igreja é o Corpo Vivo de Cristo na terra é a casa de Deus construída sobre Cristo através de homens e mulheres que vivem segundo o Espírito de Deus.

Por isso ser o primeiro parece ser o último, pois é o que fica por baixo sustentando o peso da construção, talvez agora você entenda por que Paulo fala “Porque me parece que Deus nos colocou a nós, os apóstolos, em último lugar, como condenados à morte. Temo-nos tornado um espetáculo para o mundo, tanto diante de anjos como de homens. “ 1Co 4.9

Que possamos nos deixar ser edificados sobre o fundamento, que é Cristo demostrado através do exemplo dos verdadeiros apóstolos e profetas  e assim possamos seguir em direção ao cumprimento do Propósito Eterno de Deus e na missão
de fazer discípulos segundo a imagem de Jesus.

No amor de Jesus

Pedro Quintanilha ><>

 

Livro – Porque Você Não Quer Mais Ir à Igreja

Livro - Porque Você Não Quer Mais Ir à Igreja Wayne Jacobsen

Depois de toda uma vida dedicando-se à Igreja e ao caminho que sempre lhe pareceu o certo, Jake Colsen está diante de uma dolorosa dúvida: como é possível ser cristão há tanto tempo e, ainda assim, se sentir tão vazio?
Mas o amor divino está sempre a postos para transformar vidas. Observando uma multidão numa praça, Jake depara com João, um homem que fala de Jesus como se o tivesse conhecido e que percebe a realidade de uma forma que desafia a visão tradicional de religião.
Com a ajuda do novo amigo, Jake irá reavaliar os conceitos e crenças que norteavam seu caminho. Levar uma vida cristã significa ter os comportamentos aprovados pelo grupo religioso a que pertencemos?
A cada nova palavra de João, assistiremos ao renascimento de Jake em busca da verdadeira alegria e da liberdade que Cristo veio ao mundo oferecer. Na reconstrução da sua vida, perceberemos a ação do Deus de perdão e amor.

Nota do Pedro: Um romance  simplesmente transformador, tive um profundo sentimento de liberdade após a leitura deste livro. Os diálogos são recheados de princípios, nos dão a oportunidade enxergar a realidade da vida por outro ângulo. Quando o ativismo seja profissional ou religioso fazem com que nossa fé se perca e vai diminuindo acabamos caindo em uma rotina de medíocre e de diclíneo espiritual. Deixamos de viver a vida de Jesus. Passamos de um relacionamento real com o Cristo para viver uma religião morta motivada pela culpa, medo e pela ganância. Não perca a graça. Recomendo este livro a todos. Nota 5.

Veja o trecho do livro que mais gostei:

Jesus não tinha nada de muito especial. Poderia andar por esta rua hoje e nenhum de vocês sequer o notaria. Na realidade, talvez o evitassem, pois certamente ele destoaria de todos. Mas foi o homem mais gentil que já se conheceu. Era capaz de silenciar os detratores sem precisar erguer a voz. Nunca intimidou ninguém, nunca chamou atenção para ele mesmo nem fingiu gostar do que lhe fazia mal à alma. Era autêntico até o âmago de seu ser.

–Fez uma minúscula pausa. 

– E no âmago daquele ser existia um imenso amor.  

–Nova pausa.  

– E como ele amou!

– Seus olhos se distanciaram da multidão, parecendo perscrutaras profundezas do tempo e do espaço.

– A humanidade só descobriu o que era verdadeiramente o amor por intermédio dele. Mesmo os que o odiavam. Mas ele não discriminava ninguém, pois esperava que, de algum modo, pudesse fazer seus inimigos descobrirem que o amor é a essência e a realização máxima do ser humano. A multidão parecia paralisada ouvindo-o falar.

– Ninguém foi tão honesto quanto ele. Mesmo quando suas ações ou palavras expunham os aspectos mais sombrios das pessoas, estas não se sentiam envergonhadas. Ele lhes dava total segurança, pois suas palavras não indicavam o menor sinal de julgamento, eram simplesmente um chamado para a superação e o crescimento. Qualquer um podia confiar-lhe seus mais íntimos segredos. Se algum de vocês tivesse que escolher uma pessoa para ampará-lo em seu pior momento, gostaria que fosse ele. Jesus não desperdiçava o tempo zombando dos outros, nem de suas preferências religiosas.

– Olhou fixamente para os que, um momento antes, se atacavam.

– Se tinha algo para dizer, ele dizia e seguia seu caminho, deixando em você a certeza de ter sido intensamente amado. O homem se deteve, os olhos e a boca cerrados como se tentasse conter as lágrimas. Depois prosseguiu:

– Não se trata de sentimentalismo barato. Ele amava, realmente amava. Para ele não importava que fosse um fariseu ou uma prostituta, um discípulo ou um mendigo cego, um judeu ou um não-judeu. O amor dele estava disponível para qualquer um. A maioria o abraçava quando o via. Os poucos que o seguiam experimentavam um frescor e uma energia que nunca iriam esquecer. De alguma forma ele parecia saber tudo a respeito deles e os amava incondicionalmente.

O homem fez uma pausa e observou a multidão. Atraídas por suas palavras, umas 30 pessoas haviam parado para escutar, com o olhar fixo e as bocas abertas de espanto. Seu depoimento era tão convincente que ninguém poderia duvidar de sua força e autenticidade. As palavras brotavam do mais profundo da alma daquele homem.

– E, mesmo pregado na cruz – os olhos do homem se voltaram para as árvores que se erguiam acima de nós –, seu amor continuou se derramando sobre todos, sem distinção. Ao se aproximar da morte, depois de um grito em que expressava seu sentimento de abandono, ele entregou sua vida ao Pai, para nos resgatar de nossos pecados. Não houve momento mais belo em toda a história da humanidade. Seu flagelo se tornou o instrumento para que sua vida fosse compartilhada conosco. Não era um louco. Era o Filho do Deus amoroso que ele manifestou durante toda a sua vida e até o último suspiro.

Gostou?

Veja o Capítlo 1 Completo Aqui e Baixe de Graça se quiser:

Livro – Igreja Orgânica

Livro Igreja Orgânica de Neil Cole.O livro Igreja Ogânica Neil Cole faz uma chamada de volta às raízes da igreja. Ele nos ajuda a refletir sobre a visão muitas vezes distorcida da igreja convencional e sobre alguns estereótipos que a afastam do projeto de Jesus para ela.Conquanto o livro, às vezes, pareça quebrar alguns paradigmas, é impossível não ser impactado com algumas verdades bíblicas que ele resgata, tão esquecidas por muitos cristãos e igrejas de hoje, e pela fecundidade de idéias e figuras tão belamente exploradas e compartilhadas pelo autor, o que faz da leitura de seu livro um refrigério para a mente e o espírito.

“Este livro é profundo, prático e prazeroso de ler. Ele nos propõe idéias novas e nos leva a um lugar onde podemos ver o Reino de Deus se espalhar pelo mundo em nossa geração. Esta obra chegou no momento Certo” John C. Maxwell

Nota do Pedro: Este livro cristão nos faz pensar, e repensar a prática da Igreja que somos. Ele nos mostra parâmetros e moldes que abrem os olhos para a realidade da Igreja dentro de uma nova perspectiva de estrutura mais flexível, dinâmica, menos burocrática. Genial. Um livro que marcou muito minha vida tenho buscado viver essa realidade de igreja como um organismo vivo, essa igreja orgânica que nada mais é do que a própria igreja que foi iniciada por Jesus o Cristo. Recomendo. Nota 4.

Para ver mais dicas de leitura clique aqui.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Viver Uma Igreja Missional – Jonathan Dodson

Jonathan Dodson neste vídeo levanta questionamentos e nos apresenta respostas que nos fazem refletir sobre como estamos vivendo igreja em nossa comunidade. Fala também sobre a influência da igreja em nossa sociedade. Fala sobre discipulado e como deixarmos de viver como uma igreja monástica e nos tornar uma igreja missional.

“A missão precisa estar no DNA da igreja.”

“É preciso gastar mais tempo na cidade e menos na igreja.”

Estamos levando a igreja para a cidade ou chamando a cidade para vir à igreja?

Será que estamos plantando igrejas missionárias ou monásticas?

Quais são os pecadores que você convive diariamente?

Você sabe dos problemas dos seus vizinhos e já orou por eles?

Você é amigo de pecadores?

Igreja não se resume há um dia, um evento, um sermão, um monastério, um lugar de reunião.

Fazer discípulos que multiplicam discípulos que fazem discípulos isso acontece quando homens negam a si mesmo e vão atrás de pecadores na fraqueza ou no poder, nos centros ou nas margens da sociedade.

Recomendação de livro: A Igreja Total.

Recomendação de site: http://www.gcmcollective.com

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

12 Líderes ou 5 Ministérios? Por Luiz Hermínio

É indiscutível que os 12 homens escolhidos por Jesus viveram o propósito ministerial para o qual foram designados. Seguramente, os mesmos receberam a incumbência de difundir o evangelho do Reino nos primeiros passos da igreja aqui na terra. Os evangelhos estão recheados da visão de Cristo para seus 12 primeiros discípulos: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. Em outras palavras Jesus nos instrui a gerarmos pessoas que reproduzam na vida o caráter de Jesus e que tenham paixão pelo próximo, desejando que cada um seja salvo pelo poder do Nome de Jesus. Esta ordem continua ressoando em nossos ouvidos e inflamando nossos corações até os dias de hoje.

Algumas denominações instituem 12 líderes como cargos ministeriais de cobertura da igreja que é um modelo eclesiástico a ser seguido. Porém, a bíblia não instrui que separaremos 12 homens, antes, o próprio Deus concedeu a sua igreja 5 Ministérios distintos os quais são a base vocacional para a vida da igreja. O que faz a diferença, portanto, não são 12 líderes, mas sim se estes 12 estiverem encaixados dentro a vocação para a qual foram chamados. A instrução bíblica para os 5 ministérios encontra-se em efésios 4. Abra sua bíblia e leia atentamente o texto, e por favor, caminhe comigo sobre estas águas acompanhando este raciocínio revelado. Aqui fica evidente que não estamos falando de cargos ou títulos e sim de um chamado específico.

Este princípio bíblico nos leva ao cumprimento de três conseqüências espirituais para a igreja: o Aperfeiçoamento dos Santos que está ligado ao aprimoramento espiritual dos membros, o Desempenho do Ministério que está ligado a performance de cada chamado. Creio que ainda estamos muito ligados a posições hierárquicas e não a chamados vocacionais. Faço menção aos diáconos, presbíteros, obreiros como um todo: tesoureiros, porteiros, zeladores, intercessores, levitas na música, na dança, e nas artes, todos são sacerdotes sim. Portanto, nem todos são apóstolos, profetas, mestres, evangelistas ou pastores. Conheço unção apostólica sobre pastores e até mesmo de evangelistas, mas jamais vi alguém ser ungido a profeta ou mestre. Todos são ungidos a Pastor, e aqui eu faço honra a este importante ministério, mas é que este rótulo pode esconder e abafar a vocação se estiver sobre alguém que não foi chamado para o pastorado. E o terceiro tópico trata da Edificação do Corpo de Cristo, isso fala da estrutura básica de uma igreja como sendo o meio de locomoção de Jesus na terra.

Estes fatores nos levarão a plenitude de uma igreja segundo o coração de Deus pois fluiremos em Unidade da fé, sem competições, visões bloqueadas, estagnação, isolamento e individualismo. Pois sabe porque isso acontece em algumas igrejas? É simples: Ministérios desencaixados! São mestres tentando ser apóstolos travando o ensino e não conseguindo cobrir outros líderes, pastores sendo profetas e isso é perigoso, um profeta tem uma palavra de confronto e talvez não saiba colocar a ovelha no colo e curar suas feridas, e tem até evangelista preso entre 4 paredes de uma igreja, o povo até vibra com ministrações eloqüentes mas não é apascentado. Chegaremos ao Pleno conhecimento do filho de Deus pois haverá uma revelação clara de quem Jesus é e daquilo que Ele espera de seus seguidores. E por fim chegaremos ao que mais almejamos: A maturidade espiritual alcançando a Estatura de varão perfeito. Engraçado que nenhuma das conseqüências vindas do cumprimento desta lei prometem crescimento quantitativo. Se você observar, cada eixo prometido libera uma palavra de crescimento qualitativo, o número de pessoas, será apenas uma conseqüência de uma igreja que vive o que prega e que de cara denuncia que tem caráter o caráter de Jesus.

É fácil entendermos os 5 Ministérios, eles literalmente cabem na sua mão: O pastor é aquele que cuida da ovelha e a conduz. O Mestre a ensina com treino e disciplina, o Evangelista busca ovelhas perdidas e novos rebanhos atraindo-as para perto de si, enquanto o Profeta lhes aponta a direção dos melhores pastos verdejantes, lhes avisa das mudanças climáticas de acordo com cada tempo e estação. E o Apóstolo, bem, certifica-se de que cada um tem cumprido bem seu papel, pois, flui através de todos com milagres, missões e palavra. O Apóstolo é quem recebe a visão e a constrói em pessoas cumprindo a vontade do Pai que diz: Portanto ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

O fato é que ministério não é cargo e sim função no corpo! Sejam quantos forem os líderes de sua igreja, o qual seja o modelo por ela adotado, jamais podermos sobrepor os princípios por causa dos métodos. Que independente do número, eles possam ter bem definidos seus ministérios no corpo. Os 5 Ministérios existem para nos levar a plenitude em Deus e para nos guardar de falsos ensinamentos e doutrinas como trata o v.14 do capítulo em questão. Mas aqui fica um questionamento: Onde você se encontra nos cinco ministérios dentro da igreja do Senhor? E em qual deles você se encaixa?

Fonte: http://www.mevam.org.br/ministerio/?pg=lideranca

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Missionários de Oração por Angelo Bazzo

Em todo o Corpo de Cristo, o fato de Deus chamar pessoas para missões específicas é algo normal. Cremos em “chamado”, cremos em um Deus que gera vocação. Entre os cristãos, a pessoa vocacionada recebe o nome de “missionário”. Este nome é fantástico, pois mostra que a missão de Deus encontra espaço na existência de um filho seu. Ser missionário é ser um vaso cujo o conteúdo é a missão de Deus.

Mas qual é a missão?

Nas escrituras vemos que a missão principal de Deus está ligada à comunhão. Deus, em sua essência triuna, é uma relação entre três pessoas. E o maior desejo e missão de Deus é fazer com que sua essência seja expandida em todo o Universo. A missão de Deus é comunhão e a expansão desta comunhão.

Nos profetas existe um versículo interessante que diz : “Deus não fará coisa alguma sem antes revelá-la aos seus servos os profetas” (AM 3.7). Creio que isso nos mostra que as ações de Deus estão relacionadas com ele revelar o que pensa para algumas pessoas. Logo, o plano de Deus de expandir sua comunhão, acontece por meio de ele ter comunhão com pessoas. Falando de outra forma: para expandir a comunhão Deus tem comunhão.

Por isso, penso que um verdadeiro missionário é alguém que está irremediavelmente chamado para expandir a comunhão de Deus por meio da comunhão com Deus.

Mas como isso aconteceria na prática?

Creio que a oração é a resposta.

Quando pensamos na palavra comunhão precisamos pensar também na palavra comunicação, pois as duas vem da mesma raiz. E de fato é impossível se ter comunhão sem comunicação.

Por isso, quando digo que a oração é a resposta, estou querendo dar a entender que a oração é a comunicação que gera comunhão.

Sabemos que a oração correta é aquela feita de acordo com a vontade de Deus. Por isso, para orarmos dentro da realidade comunicativa da comunhão é preciso conhecer a vontade de Deus.

E é aí também que a comunhão se desenrola. Quando Deus mostra sua vontade é a via celestial comunicando sua parte. Quando oramos esta vontade em resposta ao que temos entendido, então neste exato momento a comunhão está acontecendo.

Deus fala sua vontade e o homem ora, isso é comunhão.

Desta forma eu chego à expressão “missionário de oração”. Pois o intercessor nada mais é do que aquele que, conhecendo a vontade de Deus, passa a orar e viver em prol da realização de tal vontade.

Creio que nestes dias Deus está levantando um novo tipo de missionário na terra. Ele está erguendo pessoas que estão vocacionadas para orar. Isso pode parecer estranho por dois motivos:

-Primeiro porque pensamos que todo cristão é chamado para isso. E este pensamento é correto. Mas temos que ser realistas e perceber que de fato os cristãos não oram. Olhe ao redor, veja quantas pessoas que você conhece que são devotadas a oração?

É por isso que precisamos de pessoas que são chamadas de forma integral para orar. Pois após estarem totalmente mergulhadas nesta realidade, elas serão enviadas por todo o globo terrestre para despertar o Corpo de Cristo para sua “missão sacerdotal”.

-Em segundo lugar, pensamos que oração não é um trabalho, ou uma atividade, ou algo que mereça atenção tão grande de tempo e foco. E se pensamos assim, simplesmente provamos o ponto acima. De fato estamos totalmente desligados da missão de Deus, ainda que carreguemos o título de cristãos.

Deus, neste tempo, esta chamando homens e mulheres que vão viver aquilo que Deus tem para todos, mas que a maioria ainda não vive, e assim poderão ser enviados pelo Corpo de Cristo para que cada membro faça o que sempre deveria de ter feito.

Isso acontecerá antes da segunda vinda, e isso preparará a Igreja de Jesus ( Ap19).

Fonte: http://www.revistaimpacto.com.br

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>