Cada Dia Um Novo Ano – Por Guillermo Lóssio

novo-ano

 

Esse texto foi escrito por um querido amigo o Guillermo Lóssio e acredito ser oportuno para esse novo ano que se inicia leia e reflita.  – Pedro Quintanilha ><>

_______________

A Cada final de ano nos enchemos de expectativa e ficamos na espera que coisas novas aconteçam, na realidade o final de ano enche-nos de nostalgia e esperança de que as coisas poderão ser melhores.

Logo aparecem as profecias que são especificamente para esse ano, deixando muitas vezes as que já foram entregues e não se cumpriram no ano que passou.

Ano novo,  vida nova, é um conceito desejado por muitos, mas em realidade nosso destino não esta estabelecido no que esta por vir, nosso futuro não se cria no futuro, ele é conseqüência de nosso passado e presente. Se entendermos os tempos nós marcaremos o tempo.

Nosso destino não esta fundamentado em “guias proféticas” nem palavras entregadas, nosso destino está estabelecido no que foi feito num passado, que marca meu presente e determina meu futuro, meu destino este estabelecido no que Jesus, o Cristo, realizou na cruz do calvário.

O que vai ter o outro ano será produto de minha posição presente, aprendendo e re-tomando nosso caminhar no passado, restaurando e restituindo os erros e falhas, aprendendo de outros, melhorando minhas conquistas e alcances, subindo passo a passo na escada da vida, propondo-me a servir mais, a entregar-me mais do que me entreguei, a caminhar mais longe do que cheguei, a ser uma ferramenta de melhora para alguém, a me colocar a disposição para ser um dos tantos que Deus usa em coisas grandes, a poder dizer para muitos conta comigo, a ser um verdadeiro amigo, melhor pai, melhor mãe, melhor filho (a), melhor esposo (a) melhor cristão.

Recebendo cada dia como um passo a mais para alcançar resultados extraordinários sem perder a mira no que vem depois, a entender que eu sou só uma parte de todo o que Deus tem para outros tempos.

Ao final o ano será um ano melhor porque aprenderei com meus erros, me fortalecerei nas minhas fraquezas, me preparei melhor, me relacionarei melhor, servirei com mais dedicação, vencerei o que me derrotou,  e me disponho a sair do meu mundo para integrar-me junto a outros, a projetos que vão mais alem de meu interesse.

Será um ano de inicio para alguns, e um ano de fim para outros, ciclos se abrirão, ciclos se fecharão, mas além de tudo será um tempo de maturidade por que aprendemos no passado do que devemos fazer e o que não devemos fazer isso nos fará mais fortes para continuar nossa jornada para o outro ano extraordinário.

Entenderemos o que Paulo -apóstolo- diz “certamente esquecendo o que ficou para trás me esforço para conquistar aquilo pelo qual eu fui conquistado por Cristo”

Assim poderemos caminhar em uma só meta, em um só pensamento cumprindo nossa missão entregada com responsabilidade e animo. Usando nosso passado para fortalecer meu presente e assim poder determinar meu futuro, para que tenha uma melhora constante no lugar onde estou localizado.

Anúncios

Completando o Mandato Cultural – Por Stephen McDowell

Como os Cristãos têm Ajudado a Estabelecer o Reino de Deus entre as Nações

Completando a Comissão

O Plano de Deus para a Humanidade

Qual é o propósito ou a missão do homem na terra? Os Cristãos com freqüência respondem a isto se referindo a Grande Comissão (Mateus 28:18-20), e com toda a razão, porem nos últimos anos um grande segmento da Igreja tem limitado o significado disto a conversão somente pessoal. Certamente a Grande Comissão inclui o Mandato

Evangelístico, de redimir o homem, mas também inclui o Mandato Cultural, o de redimir a terra.

Deus se tem revelado a Si próprio como o Rei da Criação quanto o Redentor da Humanidade. O Seu reinado sobre a criação se descreve nos capítulos iniciais da Bíblia. O propósito de Deus para o homem também é revelado no livro de Gênesis.

Para entendermos apropriadamente o plano de Deus para o homem devemos entender uma verdade fundamental declarada em Genesis 1:1 – a soberania de Deus. Deus declara a sua existência desde o principio. Ele declara que é o Criador, por isto Seu senhorio sobre a criação. Ele governa sobre toda a criação. “Os céus são os céus do Senhor… Todo o que quis tem feito” (Sal. 115:16, 3). Devido a que Ele é soberano, todos os homens são responsáveis perante Deus.

O primeiro livro, Gênesis, também ensina o aspecto distintivo do homem. O homem é feito a imagem de Deus (1:26-27); por tanto é único e distinto. O homem manifesta o principio da individualidade – no seu chamado e nas suas características. Todos nos temos um propósito geral comum, mas cada um tem um propósito específico distinto.

Deus lhe deu uma missão a Sua criação especial desde o principio – o Mandato Cultural ou de Domínio (vs. 28). Deus lhe deu ao homem a missão de senhorear sobre a terra, de tomar domínio. O Salmo 8:6 diz que somos feitos para governar sobre as obras das Suas mãos.

Deus criou o homem a Sua própria imagem e semelhança como o Seu vice-regente ou administrador para governar sobre a terra. Tristemente o homem caiu do propósito para o qual Deus o criou. Desta maneira, o homem perdeu tanto o seu íntimo relacionamento com Deus quanto a sua habilidade para governar apropriadamente a terra. O pecado não somente separou o homem de Deus, mas também produziu uma maldição e uma grande perda. O homem era incapaz de cumprir apropriadamente o mandato cultural.

A natureza redentora de Deus se faz evidente de ali em diante. O homem tinha caído de aquilo para o qual Deus o tinha criado h– tanto no seu ser quanto no seu agir.

Então Deus planejou redimir o homem e restaurar nele a autoridade e administração (mordomia) delegadas sobre a terra. Deus prometeu que a semente da mulher destruiria a serpente, Satanás (Genesis 3:15). Cristo foi aquela semente que veio para redimir o homem e reverter os efeitos da queda e a maldição. Ele devolveu ao homem a habilidade de cumprir a missão originalmente entregue a Adão, como também restaurou o relacionamento do homem com Deus.

A historia da redenção se desenvolve nas varias alianças que Deus estabeleceu com os homens. A entrega da lei no Pacto Mosaico também foi usada por Deus para impulsionar o Seu programa redentor. Naturalmente, o propósito redentor de Deus tem encontrado seu cumprimento final na Nova Aliança a través de Cristo, quem foi imolado e que pelo seu sangue Deus tem redimido os homens para si mesmo “de toda linhagem, língua, povo e nação” (Apocalipse. 5:9).

salvaçao em cristo

O Propósito da Salvação em Cristo

O propósito completo da salvação em Cristo não pode ser entendido a menos que entendamos o propósito original do homem. A salvação vai alem de fazer que o homem entre no céu. Inclui restaurar o homem a sua posição original. Cristo lhe trouxe ao homem a restauração do pacto que Ele tinha com Deus, da gloria que tinha de Deus, e do mandato de domínio. Jesus também trouxe o reinado e o governo do Seu Reino a toda a criação. Ele proclamou e demonstrou o evangelho do Reino (ou seja, o governo, justiça, verdade e paz de Deus em todas as áreas da vida).

A sua obra expiatória também reverteu a maldição devido à queda do homem. A maldição afeta aos indivíduos através da morte, as enfermidades, o cativeiro, etc., e por sua vez também afeta todas as esferas da vida. Cristo trouxe redenção aos indivíduos, mas também às instituições e a todas as esferas da vida (incluindo a lei, o governo, a educação, as artes, os negócios). A redenção é tão ampla como a abrangência do pecado.

O desejo de Deus, como Jesus nos ensinou a orar, é que o Seu reino venha e que a Sua vontade seja feita na terra como é feita nos céus. Temos sido redimidos com um propósito. Em Cristo temos sido restaurados a condição de filhos e estamos agora na posição de obedecer tanto o Mandato Cultural quanto o Mandato Evangelístico. Com respeito ao Mandato Cultural, Deus nos tem restaurado a mordomia. Através de Cristo somos chamados de volta ao propósito original de Deus – para viver a Sua imagem e para sermos “frutíferos e a aumentar em número, a encher a terra e dominá-la. Para senhorear sobre… todas as criaturas que se movem sobre a terra” (Genesis 1:28). Temos sido restaurados para servir a Deus como os seus vice-regentes sobre a terra.

As nações também são afetadas pela obra redentora de Cristo. Em Mateus 28:19 Jesus nos disse que fossemos e que fizéssemos discípulos de todas as nações. Matthew Henry disse que a intenção de isto é reconhecer as nações como nações Cristas. Atos 17:26 nos diz que Deus fez as nações e lhes prefixou os tempos e os limites de sua habitação, para que busquem a Deus.

As nações têm obrigações com Deus. George Washington resumiu muito bem as obrigações que as nações têm com Deus no documento Proclamação para um Dia de Ação de Graças, guardado a quinta-feira 26 de Novembro de 1789: “É a Obrigação de todas as Nações reconhecerem a Providencia do Deus Todo poderoso, obedecer a sua vontade, e ser agradecidas pelos seus Benefícios, e implorar humildemente a sua Proteção e Favor. ”

Necessitamos ver que a nossa comissão é grande e que vai muito alem da conversão de indivíduos, embora isto seja de primeira importância.

remir a terra, nosso mandato cultural

Redimindo a Terra

O Mandato Cultural nos chama para usar todos os nossos recursos para expressar a Sua imagem e semelhança na terra. Para cumprir este mandato requer de nos que descubramos a verdade através das ciências, apliquemos a verdade por meio da tecnologia, interpretemos a verdade através das artes e as letras (a área de humanidades: a literatura, a filosofia, etc.), estabeleçamos a verdade através do comercio e a ação social, transmitamos a verdade por meio da educação e as artes, e preservemos a verdade através do governo e a lei.

Historicamente os Cristãos têm estado na frente em cada uma dessas áreas. À medida que estes homens e mulheres têm sido fieis para cumprir o chamado em suas vidas e utilizar os talentos que Deus lhes deu, nessa medida tem contribuído enormemente para tomar domínio sobre a terra e estender os propósitos e o governo de Deus neste mundo.

Na parábola de Lucas 19:11-27 Jesus nos instrui em quanto a como deveríamos viver na terra enquanto esperamos, e ao mesmo tempo ajudamos a produzir, o Seu reino. Ele nos disse que “fizéssemos negócios com isto ate que eu voltar” (vs. 13). O isto são minas, o que certamente fala de um uso sábio do dinheiro, mas num sentido mais amplo representa os talentos, destrezas e habilidades que Deus tem dado a cada um de nos. Deus nos criou com um propósito. Deseja que trabalhemos como sócios com Ele para tomar domínio sobre a terra ao usarmos os talentos que nos tem dado. Estes talentos se expressam no negocio ou a obra a qual nos chamou. Nosso trabalho é uma parte vital do plano de Deus para nos e para as nações. À medida que formos fieis em trabalhar duro e em multiplicar o que nos tem dado, nessa medida estaremos participando em produzir o Seu reino sobre a terra e sendo uma benção para as nações.

Podemos aprender muito em como discipular hoje as nações a partir dos exemplos dos Cristãos que Deus tem usado ao longo da historia. Seguidamente mencionaremos alguns Cristãos que tem contribuído em cumprir o mandato cultural ao fazer negócios com os talentos que Deus lhes deu em vários campos. Uns poucos destes pioneiros são examinados brevemente para que possamos aprender e sermos inspirados por seus exemplos.

Se quiser continuar estudando sobre o assunto recomendo ler Tocar o Céu e Transformar a TerraResgatando a Cosmovisão Bíblica e dá uma olhada nas dicas de leitura que tem alguns livros ali muito bons que tratam desse assunto.

No amor de Jesus.

Pedro Quintanilha ><>

Igreja nas Casas ou Casa uma Igreja?

Igreja nas Casas

Quando descobri que Igreja não era um prédio isso mudou minha vida, já era um dito cristão, mas vivia uma vida sem compromisso com Deus e o evangelho. Não só pela falta de entendimento, mas por falta de vergonha na cara mesmo. Claro que a falta de entendimento também nos leva a uma falta de responsabilidade.

O que mudou então quando entendi que pessoas eram a igreja e não um prédio? Digo que tudo mudou, pois agora o lugar sagrado não é aquele que frequentamos domingo, mas sim nossas vidas, santo não é o “santuário”, mas eu. Agora tenho necessidade de ter reverência demonstrada na minha vida, não só me comportar bem em uma reunião.

Outra questão importante foi quando comecei a ler as escrituras e alguns livros e ver que as reuniões da Igreja não precisavam ficar limitadas a um dia da semana em um lugar especial. Assim com os primeiros discípulos a igreja poderia se reunir publicamente e de casa em casa.

Isso foi fantástico igreja em uma casa, pessoas que compartilham da mesma fé juntas e buscando ao seu Deus em suas casas, abrindo seus corações, orando por questões comuns, desfrutando de uma amizade verdadeira que não está limitada a um dia da semana, aprendendo a criar seus filhos, lidar com suas fraquezas, podendo demonstrar quem são de verdade, sem capa de religiosidade, que maravilha.

Aí vem a primeira decepção, começo a perceber que muitos irmãos que se dizem igreja não vivem como igreja e tratam o lugar de reunião como igreja, mesmo sem dizer que aquele lugar é igreja.

Então vem a segunda decepção mais irmãos que levam para as casas o mesmo protocolo de um culto convencional só que substitui a oferta pelo lanche no final. O resto é tudo igual.

Não sei se dá vontade de rir ou chorar…

Graças a Deus pela sua misericórdia que nos suporta e nos ensina cada dia a nos parecer mais com seu filho Jesus, igreja nas casas, igreja tradicional, igreja orgânica, igreja emergente, igreja missional, igreja comunidade, sem nome, com nome, denominação, movimento, blá blá blá.

Tenho chegado à conclusão de que o que importa mesmo é o cumprimento da missão ser e fazer discípulos.

Cumprir o propósito eterno de Deus de sermos uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus para glória de Deus. Discipular e transformar as nações tocando e influenciando cada aspecto de nossa sociedade com o evangelho do Reino.

Porque dele, por meio dele, Para ele são todas as coisas.

Que possamos nos abrir para que o Espírito Santo e nossos irmãos cooperem para transformar nossa essência por que a forma, na boa, pouco importa. O que importa realmente é o conteúdo, acredito que o conteúdo molda nossa forma e não o contrário. Uma questão em relação à forma, acredito que ela precisa ser flexível bastante para não impedir o avanço do Reino.

Tire suas próprias conclusões.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Movimentação Apostólica

estrada caminho apostoloEstamos vivendo tempos de restauração, temos identificado que este é o momento pontual para trabalharmos dentro desse funcionamento. Essa questão de apóstolos e profetas, apostólico e profético tem sido muito mal interpretada e mal aplicada, mas isso não nos isenta da responsabilidade e necessidade de nos movimentarmos nesse funcionamento como igreja e de reconhecer essas funções no corpo.

Apostolo não é um cargo e sim uma função da mesma forma que apostólico é um funcionamento.

Desde muitos anos atrás a restauração é clara em meio a história da Igreja desde a reforma a igreja vem restaurando as funções que a capacitam a funcionar como corpo. Você pode saber mais sobre restauração neste texto.

Em Mateus 9.35 temos um exemplo da movimentação apostólica.

“Jesus ia passando por todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando as boas novas do Reino e curando todas as enfermidades e doenças.“ Mt 9.35 

Vemos que a movimentação de Jesus era passando pelas cidades, entrava em povoados e ensinava nas sinagogas. Esse é um exemplo que deve ser observado e seguido precisamos estar envolvidos com as questões das cidades e a partir das congregações equipar as pessoas para que a diferença seja feita na cidade. Muitas vezes vemos a igreja como um fim em si mesmas e isso acaba sendo ruim para todos.

Uma questão muito interessante também é que cada parte da grande comissão mostrada nos evangelhos e em atos nos revelam uma característica que pode ser comparada com cada uma das cinco funções ministeriais para o corpo de cristo.

Mateus 28.18-20 – Ênfase no Ensino função do Mestre ensinar a ensinar.

Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”.  

Marcos 16.15-18 – Ênfase no Evangelismo função do Evangelista capacitar a igreja a pregar a toda criatura.

“E disse-lhes: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas.  Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas;  pegarão em serpentes; e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal nenhum; imporão as mãos sobre os doentes, e estes ficarão curados”. “

Lucas 24. 44 – Ênfase no profético fala de cumprimento, os Profetas precisam capacitar a igreja a enxergar, o que tem se cumprido e o que está para se cumprir e capacitar outros a enxergar  e profetizar.

E disse-lhes: “Foi isso que eu lhes falei enquanto ainda estava com vocês: Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito estava escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.

João 20 22,23 – Ênfase no perdão do individuo, relacionado a função dos Pastores que trabalham para apascentar e capacitar outros a apascentar o rebanho de Deus.

“E com isso, soprou sobre eles e disse: “Recebam o Espírito Santo. Se perdoarem os pecados de alguém, estarão perdoados; se não os perdoarem, não estarão perdoados”.”

Atos 1.8 – Ênfase na movimentação, função apostólica capacitar a igreja a se movimentar de forma estratégica sobre as cidades.

“Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. “

A movimentação apostólica é importante, pois ela traz para a igreja o senso de missão. Capacitam a igreja a se movimentar de forma estratégica por regiões, existe todo um processo que precisa ser cumprido o os apóstolos e pessoas apostólicas vêm para auxiliar todo o corpo a completar e caminhar sobre esses processos.

Que possamos aprender a nos movimentar como o Espírito anseia que nos movimentemos.

No Amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

O que é Igreja?

Esta é uma resposta a muitas questões, vejo esse pequeno vídeo como uma forma de clarear nossas mentes a respeito do que é a Igreja. O que significa ser Igreja. A despeito do que muitos falam e creêm a Igreja permanece viva e caminhando prosseguindo para a realização do Eterno Propósito de Deus e firme em na sua esperança, mas isso é papo para outro post.

Se gostou de video comenta aí.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

A Importância da Igreja na Cidade – Felipe Assis

Uma abordagem contundente em relação ao evangelho e como o evangelho pode se tornar relevante para influenciar as cidades. Interessante a parte que ele trata que o Evangelho não visa estritamente transportar as pessoas da terra para o céu, mas restaurara a comunhão e o relacionamento do homem com Deus por meio de Cristo. Este evangelho possuí um ecossistema ele precisa se preucupar com o ESPIRITUAL, SOCIAL, CULTURAL.  Quando o evangelho se torna relevante nessas três áreas existe a possibilidade de influenciar as cidades para se tornar semelhante a cidade que Deus está construindo (Nova Jerusalém).

Se não tiver paciência de ver o video todo recomendo que assista pelo menos a partir dos   35 minutos.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Dia Global de Evangelismo e Oração

Um Dia: 2 Junho 2012 Um Mundo: 200 Naçõesma Mensagem: Jesus CristoO Dia Global de Evangelismo e o Dia Global de Oração juntar-se-ão para unir os dois pilares fundamentais do Cristianismo: Oração e Evangelismo.A visão do Dia Global de Evangelismo é a mobilização de Cristãos em mais de 200 nações.
A Wikipedia teve início em 2001 com a participação de 19 profissionais os quais em 3 anos escreveram apenas 20 artigos. Eventualmente colaboradores não-profissionais deram continuidade escrevendo mais de 20 milhões de artigos poucos anos depois. Wiki significa “fácil”. O Dia Global de Evangelismo é um “Wiki-dia-evangelistico”
Os não-profissionais irão alcançar milhões de pessoas com o Evangelho em todos os lugares; quer seja em hospitais, prisões, na vizinhança ou nas ruas.
Isto  não  pode  ser  alcançado  por  uma  única  pessoa  ou  organização,  mas  somente  através  da  unidade  global  do  corpo  de  Cristo,  em  que  juntos  oramos,  trabalhamos  e  nos   posicionamos.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Viver Uma Igreja Missional – Jonathan Dodson

Jonathan Dodson neste vídeo levanta questionamentos e nos apresenta respostas que nos fazem refletir sobre como estamos vivendo igreja em nossa comunidade. Fala também sobre a influência da igreja em nossa sociedade. Fala sobre discipulado e como deixarmos de viver como uma igreja monástica e nos tornar uma igreja missional.

“A missão precisa estar no DNA da igreja.”

“É preciso gastar mais tempo na cidade e menos na igreja.”

Estamos levando a igreja para a cidade ou chamando a cidade para vir à igreja?

Será que estamos plantando igrejas missionárias ou monásticas?

Quais são os pecadores que você convive diariamente?

Você sabe dos problemas dos seus vizinhos e já orou por eles?

Você é amigo de pecadores?

Igreja não se resume há um dia, um evento, um sermão, um monastério, um lugar de reunião.

Fazer discípulos que multiplicam discípulos que fazem discípulos isso acontece quando homens negam a si mesmo e vão atrás de pecadores na fraqueza ou no poder, nos centros ou nas margens da sociedade.

Recomendação de livro: A Igreja Total.

Recomendação de site: http://www.gcmcollective.com

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Missionários de Oração por Angelo Bazzo

Em todo o Corpo de Cristo, o fato de Deus chamar pessoas para missões específicas é algo normal. Cremos em “chamado”, cremos em um Deus que gera vocação. Entre os cristãos, a pessoa vocacionada recebe o nome de “missionário”. Este nome é fantástico, pois mostra que a missão de Deus encontra espaço na existência de um filho seu. Ser missionário é ser um vaso cujo o conteúdo é a missão de Deus.

Mas qual é a missão?

Nas escrituras vemos que a missão principal de Deus está ligada à comunhão. Deus, em sua essência triuna, é uma relação entre três pessoas. E o maior desejo e missão de Deus é fazer com que sua essência seja expandida em todo o Universo. A missão de Deus é comunhão e a expansão desta comunhão.

Nos profetas existe um versículo interessante que diz : “Deus não fará coisa alguma sem antes revelá-la aos seus servos os profetas” (AM 3.7). Creio que isso nos mostra que as ações de Deus estão relacionadas com ele revelar o que pensa para algumas pessoas. Logo, o plano de Deus de expandir sua comunhão, acontece por meio de ele ter comunhão com pessoas. Falando de outra forma: para expandir a comunhão Deus tem comunhão.

Por isso, penso que um verdadeiro missionário é alguém que está irremediavelmente chamado para expandir a comunhão de Deus por meio da comunhão com Deus.

Mas como isso aconteceria na prática?

Creio que a oração é a resposta.

Quando pensamos na palavra comunhão precisamos pensar também na palavra comunicação, pois as duas vem da mesma raiz. E de fato é impossível se ter comunhão sem comunicação.

Por isso, quando digo que a oração é a resposta, estou querendo dar a entender que a oração é a comunicação que gera comunhão.

Sabemos que a oração correta é aquela feita de acordo com a vontade de Deus. Por isso, para orarmos dentro da realidade comunicativa da comunhão é preciso conhecer a vontade de Deus.

E é aí também que a comunhão se desenrola. Quando Deus mostra sua vontade é a via celestial comunicando sua parte. Quando oramos esta vontade em resposta ao que temos entendido, então neste exato momento a comunhão está acontecendo.

Deus fala sua vontade e o homem ora, isso é comunhão.

Desta forma eu chego à expressão “missionário de oração”. Pois o intercessor nada mais é do que aquele que, conhecendo a vontade de Deus, passa a orar e viver em prol da realização de tal vontade.

Creio que nestes dias Deus está levantando um novo tipo de missionário na terra. Ele está erguendo pessoas que estão vocacionadas para orar. Isso pode parecer estranho por dois motivos:

-Primeiro porque pensamos que todo cristão é chamado para isso. E este pensamento é correto. Mas temos que ser realistas e perceber que de fato os cristãos não oram. Olhe ao redor, veja quantas pessoas que você conhece que são devotadas a oração?

É por isso que precisamos de pessoas que são chamadas de forma integral para orar. Pois após estarem totalmente mergulhadas nesta realidade, elas serão enviadas por todo o globo terrestre para despertar o Corpo de Cristo para sua “missão sacerdotal”.

-Em segundo lugar, pensamos que oração não é um trabalho, ou uma atividade, ou algo que mereça atenção tão grande de tempo e foco. E se pensamos assim, simplesmente provamos o ponto acima. De fato estamos totalmente desligados da missão de Deus, ainda que carreguemos o título de cristãos.

Deus, neste tempo, esta chamando homens e mulheres que vão viver aquilo que Deus tem para todos, mas que a maioria ainda não vive, e assim poderão ser enviados pelo Corpo de Cristo para que cada membro faça o que sempre deveria de ter feito.

Isso acontecerá antes da segunda vinda, e isso preparará a Igreja de Jesus ( Ap19).

Fonte: http://www.revistaimpacto.com.br

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Características do Cristianismo que se Movimenta

Como essa multiplicação irá se expressar onde estamos?

Como podemos ver no mundo um surgimento o nascimento de um movimento de Igreja?

O movimento de multiplicação se dá quando a Igreja se multiplica com um aumento de 50% do número de convertidos. Esse crescimento vem pelo acréscimo de novos convertidos até a terceira geração de igreja.

Para começar com um movimento de multiplicação de igrejas é preciso começar multiplicando tudo.

Precisamos criar uma cultura no meio da igreja de multiplicação essa é uma ideia dos Wesley.

Tudo tem de multiplicar: discípulos, grupos, ministérios, igrejas.

Como começamos?

  • Precisamos ser pessoalmente um exemplo de multiplicação, precisamos ter filhos espirituais. Aqueles que são líderes e pastores precisam dizer eu vou multiplicar.
  • Movimentos acontecem quando igrejas plantam igrejas, que plantam igrejas.
  • Outras coisas se querem observar o que é um movimento é convidar plantadores de igrejas para participar do movimento.  Isso é um pouco “arriscado”, pois os plantadores de igreja são pessoas difíceis de lidar. Quando as pessoas decidem não fazer parte de uma igreja estabelecida, mas querem ser pioneiros em algo novo geralmente existe alguma coisa errada com eles. Existe uma motivação nessas pessoas para começar uma coisa nova. Eles tem características como empreendedor, criativo que não pensa segundo os padrões estabelecidos. Não deveríamos nos ofender ou ficar surpresos de que o plantador de igrejas é diferente de outros pastores.
  • Quando os discípulos ouviram o ide de Jesus eles foram e plantaram igrejas. Quando queremos interpretar um texto bíblico temos de perguntar o que ele representa para o primeiro público de ouvintes.

Falando sobre ser missional: Se queremos nos chamar de missionais temos de pensar em nos envolver em 3 coisas:

Servir localmente, plantar em uma região mais ampla e adotar por todo planeta aquelas pessoas que não foram alcançadas pelo evangelho. Toda igreja pode participar dessa ação multifacetada da missão de Deus

Voltando a plantação de igrejas:

  • Precisamos plantar por multiplicação e não pelo financiamento, não podemos comprar nossa entrada no movimento de multiplicação de igreja, o dinheiro acaba “atrapalhando” a missão, pois o dinheiro acaba criando uma expectativa que aja mais dinheiro.
  • Tudo que existe na igreja deve já nascer grávido.
  • Abrir novos caminhos ( se queremos mais temos de abrir mais estradas)
  • Leigos plantando igrejas, pessoas de outros grupos étnicos plantando igrejas, pastores que trabalham em um emprego “secular” plantando igrejas.
  • Paulo impôs as mãos designou líderes muito mais cedo do que nós estamos dispostos a fazer. Temos de avaliar se vamos usar os métodos missionários de Paulo ou os nossos.
  • Por último, para fazermos tudo isso temos de superar o medo. Superar o medo de liberar pessoas das nossas igrejas para missões, superar o medo de que se levantarmos lideres muito cedo eles vão nos abandonar. Vencemos esses medos não fingindo que eles não existem, mas criando sistemas para apoiar nossos lideres hoje e no futuro.

Que o nome e a reputação de Jesus seja conhecido amplamente.

Obs: anotações da terceira palestra de Ed Stetzer  na conferência Atos 29.

Pedro Quintanilha ><>