Os Sintomas da Doença da Religião

doença-religiao-religiosidade

Texto do Kris Vallotton, traduzido por meu grande amigo e irmão Mateus Mainhard.

“Eu creio em viver uma vida radicalmente entregue a Deus, onde minha paixão é vivida na prática. Então, eu tenho lido a minha bíblia todos os dias por mais de 30 anos. Nos últmos 38 anos, eu não perdi mais de 20 cultos de domingo na igreja. Eu dou/oferto grande parte da minha renda. Eu amo passar tempo com Deus, orando e curtindo a Sua presença. (Eu faço essas coisas porque eu quero, e não porque alguém requer isso de mim.)

Já o espírito de religião, não, ele nunca está satisfeito. Se você ler um capítulo por dia,
“deveria” ter sido dois. Se você orar 15 minutos, “deveria” ter sido 1 hora. Se você jejuar por 3 dias, “deveria” ter sido por uma semana. Se você dá 10% da sua renda, “deveria” ter sido 20%. Se você for à igreja toda semana, você faltou na quarta-feira. A religião escraviza, odeia as pessoas. Requer que você trabalhe pra se sentir amado ao invés de viver a partir do amor.

Os sintomas dessa doença são:

1-Você sempre se sente culpado independentemente do quanto você se esforce.

2-Sua identidade é totalmente ligada ao que você faz, e não a quem você é.

3-Quando você não está fazendo alguma coisa você se sente culpado.

4-Você julga a performance dos outros e fica se comparando.

5-Você está sempre atarefado e se sente constantemente exausto.

6-No fundo você sempre pensa que se você tivesse dado/feito mais ou sacrificado mais, você teria sido feliz.

7-Sacrifício é seu maior valor e você não sabe o que é ser apaixonado.

8-Você se sente culpado quanto você está se divertindo.

9-Você se sente mal quando gasta dinheiro em coisas que você gosta mas que não são “espirituais”.

10-Você nunca está realmente feliz ou realmente já se sentiu amado.

11-Se você deixa de fazer uma das suas “disciplinas espirituais” você se sente como se algo terrível fosse acontecer com você.”

_______
Só gostaria de pontuar uma coisa, o Reino de Deus nos exige decisão a partir do amor assim como o texto fala. Temos de tomar cuidado com o extremo que pode nos levar à uma vida sem responsabilidade com a missão e com a igreja.
Assim como Jesus muitas vezes fez o que não queria fazer pela causa que lhe era designada, mas por amor fez. A renúncia apaixonada da nossa vontade que extrapola os sentimentos de egoísmo e autopreservação é maravilhosa.
No Amor de Jesus,
Anúncios

Livro – Igreja Orgânica

Livro Igreja Orgânica de Neil Cole.O livro Igreja Ogânica Neil Cole faz uma chamada de volta às raízes da igreja. Ele nos ajuda a refletir sobre a visão muitas vezes distorcida da igreja convencional e sobre alguns estereótipos que a afastam do projeto de Jesus para ela.Conquanto o livro, às vezes, pareça quebrar alguns paradigmas, é impossível não ser impactado com algumas verdades bíblicas que ele resgata, tão esquecidas por muitos cristãos e igrejas de hoje, e pela fecundidade de idéias e figuras tão belamente exploradas e compartilhadas pelo autor, o que faz da leitura de seu livro um refrigério para a mente e o espírito.

“Este livro é profundo, prático e prazeroso de ler. Ele nos propõe idéias novas e nos leva a um lugar onde podemos ver o Reino de Deus se espalhar pelo mundo em nossa geração. Esta obra chegou no momento Certo” John C. Maxwell

Nota do Pedro: Este livro cristão nos faz pensar, e repensar a prática da Igreja que somos. Ele nos mostra parâmetros e moldes que abrem os olhos para a realidade da Igreja dentro de uma nova perspectiva de estrutura mais flexível, dinâmica, menos burocrática. Genial. Um livro que marcou muito minha vida tenho buscado viver essa realidade de igreja como um organismo vivo, essa igreja orgânica que nada mais é do que a própria igreja que foi iniciada por Jesus o Cristo. Recomendo. Nota 4.

Para ver mais dicas de leitura clique aqui.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Informativo para 2012 – Por Martin Scott

Anotações no início de janeiro de 2012

Deus fala

Graças a Deus porque Ele fala e não nos deixa na escuridão. Graças a Deus porque Ele não nos revela tudo. A fé exige confiança, assim como uma ação que resgata do invisível as realidades que são tão necessárias a este mundo. Graças a Deus porque o que Ele fala não é dito só para uma pessoa. Há riqueza na diversidade.

No início de um ano – incluindo o nosso calendário e o judaico, há uma expectativa de que Deus vai falar. Talvez a infinitude seja um conceito muito mais grego que judeu e apesar de sabermos que Deus não se relaciona com o tempo da mesma maneira que nós, Ele se relaciona conosco nos nossos períodos de tempo.

Eu tenho aguardado nos últimos dias por uma indicação dos céus de que há algumas perspectivas a serem liberadas e todas elas precisam ser pesadas. Aceite o que fizer sentido no Espírito.

Acordei de um sono profundo esta manhã (3 de janeiro) com um forte impulso de que era hora de me levantar e orar. Nossa casa é escura e não há relógio na cabeceira então sem noção de horário eu saí do quarto no escuro. Quando entrei na sala eu vi que eram 3:03h do dia 3 de janeiro. Então eu sei que esta é uma hora designada.

Todos temos o privilégio e a responsabilidade de vivermos com a revelação que recebemos, então quero dar o histórico (ou o cenário) por trás de algumas questões:

Dois sonhos continuam moldando como estou encarando esta década e já escrevi sobre eles antes:

1) A abertura das instituições que moldaram nossa cultura ocidental. Uma abertura para que o que está dentro possa ser visto mas novamente sendo fechado para proteger e manter as coisas como estão. A batalha para os seguidores de Jesus é abandonar o desejo de recorrer para o que é familiar

2) Esta é uma década turbulenta com uma movimentação em direção aos extremos. Há um processo de reequilíbrio incrível. Nós não podemos e não devemos esperar que as coisas sejam simplesmente restauradas. Uma era está passando. Há ciclos que começaram há 50 e outros que começaram há 500 anos que estão conectados ao que está acontecendo e estas coisas estão sendo confrontadas. Provavelmente muito está enraizado na pirataria, como algo sendo atraído e depois destruído. Pela primeira vez depois de orar hoje de manhã eu sugiro que há uma conexão entre a revolução sexual descontrolada dos anos 60 e um consequente desejo por finanças e poder também descontrolado.

Seguem outros fatores que parecem ser relevantes para a época atual:

3) Outro sonho sobre o qual já escrevi que tive há alguns meses: uma pessoa dos EUA vem me visitar durante junho ou julho de 2012 e me pergunta como a Espanha sobreviveu a crise econômica de fevereiro de 2012. Os meses de fevereiro a junho/julho são meses nos quais os que estão nestes contextos geográficos precisam estar vigilantes. A sabedoria parece dizer que estes serão meses onde mudanças repentinas nos planos precisam ser realizadas com insight verdadeiro (vou escrever algo abaixo sobre orar pela prosperidade da cidade).

4) Em 1991 eu vi filas de pessoas esperando alimento nas ruas da Europa Ocidental. Ano passado tivemos o privilégio de estar do lado de fora do prédio da igreja Filadélfia em Estocolmo, que foi construída num período de grande dificuldade econômica e a igreja estava envolvida com a alimentação de grandes grupos na mesma época.

5) Deus me deu uma palavra em 2005 sobre as eleições de 2008 e 2012 nos EUA. São anos de definições para aquela terra. Mais tarde com as Olimpíadas em Londres (40 anos depois dos ataques terroristas aos atletas em Munique… o atentado a bomba no metrô de Londres um dia após o anúncio de que as Olimpíadas seriam lá) há marcos importantes nas terras.

6) Um sonho recente durante uma época de divergência política entre nações era baseada numa resposta tipo “o que é melhor para nós”, eu ouvi uma declaração de Guerra e dediquei tempo para visitar os dois países para encorajar os cristãos a encontrarem uma forma de orarem e trabalharem para que o Reino venha, independente das fronteiras. A tristeza foi que eu não consegui encontrar ninguém para trabalhar desta maneira porque nas duas nações eles simplesmente se alinharam de forma nacional.

Então me deixem compartilhar algumas perspectivas:

Aspectos que devem ser considerados e sobre os quais devemos meditar: os espias ficaram na terra escondidos durante 3 dias (Jos. 2:22), o povo esperou 3 dias até que estivesse pronto (Jos. 3:2); foi depois de 3 dias que a hostilidade entre Saul e Davi se tornou visível (1 Sam. 20:5); foi depois de 3 dias que Ezequias foi curado (2 Reis 20:5); o terceiro dia foi marcado por desespero e desentendimento (Lucas 24:18) e obviamente esperança completa e válida para o futuro. Há material aí que sera específico para este ano.

Nesta estação imediata podemos perceber que estamos chegando ao fim de uma estação de separação e deslocamento. Em 3 dias Deus atuou na separação (criação), para estabelecer a administração. Ao final deste ano haverá oportunidade para novas conexões.(Paul Leader escreveu sobre “juntar os pontos”). O isolamento pode abrir caminho para contextos novos mas também amplos.

O que nos aguarda?

Tempos apontados, porém inesperados será uma das marcas…
Nem sempre apontamentos como que numa agenda ou calendário, mas algo que venha da esquerda do campo. Formas antigas de fazer as coisas serão desafiadas este ano apesar de existir uma voz forte proclamando “temos que retornar”. Fiquem atentas a isso nas esferas políticas e religiosas. Não há como voltar atrás. Os tempos mudaram.

Fiquem alertas a situações onde exista uma mudança de ritmo, algo que perturbe o que foi planejado e esperado. Esta situação será uma oportunidade escondida tanto para resolver questões e padrões familiares quanto para dar visão e insight.

Dias de acordar e perceber que ‘estou decepcionado e, portanto cansado sobrevirão sobre muitos. A decepção não é o problema. Mas não encará-la e procurar soluções em outros lugares não aliviará o sentimento. Eu vejo uma raiz de decepção que trouxe consigo o cansaço. (E o que vou escrever não é nem uma palavra de condenação e nem uma palavra genérica – para alguns isso será uma palavra literal de cura física) admitir a decepção será a porta para a cura. Tenha esperança novamente… mas espere em Deus.

Um de nossos chamados é orar pela prosperidade de onde estamos plantados – mesmo se for na Babilônia. Contudo, é importante que não reduzamos a prosperidade na terra a algo financeiro. Há grandes perdas a serem feitas neste ano. A frase “registrar perdas” é algo que vamos ler. A pobreza financeira não é uma bênção, mas o casamento da igreja com o nacionalismo e a prosperidade nacional que vem como resultado deste casamento empobrecerá a muitos.

Resumindo, estas são as questões que devemos enfrentar:

• Nacionalismo
• Decepção
• O familiar e um chamado pelo “ontem”
• Viver somente com a agenda/calendário

Oportunidades:

• Encontros/apontamentos não planejados e inesperados
• Contextos novos, porém amplos com os quais se conectar
• Novo descanso substituindo o cansaço para poder dormir durante a tempestade

Nota de rodapé – coincidência ou não, eu olhei para o relógio depois de algumas horas e quando eu terminei ele marcava 06:06h. Exatamente 3:03 após o início, Será que entre 3/03 e 6/06 devemos estar mais vigilantes do que estivemos antes?

Martin Scott

Traduzido por Denise De Vasconcelos Araujo

http://3generations.eu/blog/archives/5558

http://am38.rugidodoleao.com/

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Como Jesus Amou

Estou lendo um livro muito interessante cujo título é “amor ao próximo”. Tenho refletido sobre como Jesus nos amou. Muitos sabem que Jesus no evangelho de João, Jesus deixou um novo mandamento para os seus discípulos que consiste em amar uns aos outros como ele nos amou.  Diferente do mandamento de amar o próximo como a nós mesmos esse novo mandamento vai além de nós.

Muitas vezes ligamos esse mandamento ao fato de Jesus ter entregado sua vida de forma sacrificial e morrido a morte que era por direito nossa. Isso está correto, o amor de Jesus é um amor sacrificial de entrega. Esse mandamento fala de fazermos isso pelos nossos irmãos.

Gostaria de expandir nesse artigo esse entendimento, pois vejo que além de Jesus amar ao ponto de morrer ele amou de forma singular. Podemos observar isso em muitas passagens Ele enxergava a necessidade de cada pessoa, não tinha um olhar genérico como se visse uma multidão sem forma ou personalidade. Jesus via cada um individualmente e isso me chama muito a atenção.

Por exemplo: Quando ele é chamado para ver uma menina doente ele vai mais do que depressa, chegando ao encontro da família a menina já havia morrido ele a ressuscita. Quando o seu amigo Lázaro estava doente ele espera e só vai vê-lo depois (ele ressuscita também, mas não é isso que quero ressaltar). O fato é que ele olha para cada um individualmente. Quando ele vai para casa de Zaqueu, o próprio Zaqueu diz que daria metade dos seus bens e restauraria quem ele estava defraudando quatro vezes mais e então Jesus declara que ouve salvação naquela casa. Já o Jovem rico Jesus pediu para distribuir toda sua riqueza.  A todos os cegos que curou Jesus pergunta: O que queres que eu te faça? Conversa com a mulher samaritana enxergando seus anseios e se mostra como messias. Quando ele chamou um discípulo para caminhar com ele e este queria sepultar os pais ele falou: deixe que os mortos sepultem os mortos. Elogiou a revelação que Pedro teve e logo depois o repreendeu lhe chamando de satanás.

Enfim temos muitos exemplos em todos os evangelhos de como Jesus enxergava a singularidade de cada um e tratava especificamente com ela, sem nunca quebrar princípios ou descumprir os mandamentos por enxergar desse jeito.

Podemos concluir que é possível ver pela ótica de Deus e amar como Jesus amou. Isso fala de nos entregar uns pelos outros e enxergar as necessidades, ajudando um na dificuldade do outro. Isso também fala de corrigir aqueles que estão vivendo uma vida fora do padrão de Deus, descrito nas escrituras. Confrontar os pecados dos nosso irmãos para que eles se arrependam e se voltem para o Senhor. Isso é amar.

Que possamos amar uns aos outros como Jesus nos amou.

Comente!!!

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Vida Eterna x Ser Condenado

“Quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele”. Jo 3,36

Na minha meditação da manhã comecei a refletir sobre esse texto estava lendo o início do evangelho de João e no capítulo 3 onde após a passagem de Nicodemos inicia uma fala do profeta João o batista. João batista é questionado pelos seus discípulos sobre Jesus e o fato dele batizar ele exalta Jesus dando testemunho sobre o fato dele ser de fato o filho de Deus e finaliza o discurso com uma fala bem parecida com a que Jesus fez pra Nicodemos.“Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus.” Jo 3.18

O que me chamou atenção nessas duas falas, uma do Senhor Jesus e outra de João batista, é que tenho ouvido algumas pessoas justificando suas vidas de pecado com base no sacrifício de Jesus. Estes alegam que Jesus já morreu por todos e não temos a necessidade de nos arrepender, uns tem a cara de pau de escrever e dizer isso publicamente e outros apesar de não declararem isso expressam essa crença com suas vidas.

Escrevo esse texto com intuito de alertar. Se você é um desses por favor não se sinta ofendido com o que eu vou dizer, mas você está indo a passos largos em direção ao inferno, para morte eterna. Cara se arrependa (mude seu pensamento e sua atitude).

Uma coisa interessante sobre o crer é que em nossa cultura nós fazemos diferença entre crer e obedecer isso não existe no contexto judaico de onde extraímos os ensinos de Jesus. Por influência da cultura greco-romana que herdamos nós fazemos essa separação e isso é muito ruim, pois vivemos acreditando que existe a possibilidade de crer em Jesus e não obedecer os seus mandamentos, viver seus princípios e verdades.

Quem tem ouvidos para ouvir ouça de Deus não se zomba. Deus não enviou seu filho para condenar o mundo mas para salvá-lo. Por favor você que está lendo esse texto agora não acredite na mentira que você pode dizer que crê e não deve obedecer.

“Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” Jo 3.16

É desejo de Deus que você tenha vida eterna, mas não adianta ficar relativizando as verdades de Deus e continuar vivendo uma vida de pecado.

Creia em Jesus expresse essa crença através da obediência, porque isso é crer!

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Características do Cristianismo que se Movimenta

Como essa multiplicação irá se expressar onde estamos?

Como podemos ver no mundo um surgimento o nascimento de um movimento de Igreja?

O movimento de multiplicação se dá quando a Igreja se multiplica com um aumento de 50% do número de convertidos. Esse crescimento vem pelo acréscimo de novos convertidos até a terceira geração de igreja.

Para começar com um movimento de multiplicação de igrejas é preciso começar multiplicando tudo.

Precisamos criar uma cultura no meio da igreja de multiplicação essa é uma ideia dos Wesley.

Tudo tem de multiplicar: discípulos, grupos, ministérios, igrejas.

Como começamos?

  • Precisamos ser pessoalmente um exemplo de multiplicação, precisamos ter filhos espirituais. Aqueles que são líderes e pastores precisam dizer eu vou multiplicar.
  • Movimentos acontecem quando igrejas plantam igrejas, que plantam igrejas.
  • Outras coisas se querem observar o que é um movimento é convidar plantadores de igrejas para participar do movimento.  Isso é um pouco “arriscado”, pois os plantadores de igreja são pessoas difíceis de lidar. Quando as pessoas decidem não fazer parte de uma igreja estabelecida, mas querem ser pioneiros em algo novo geralmente existe alguma coisa errada com eles. Existe uma motivação nessas pessoas para começar uma coisa nova. Eles tem características como empreendedor, criativo que não pensa segundo os padrões estabelecidos. Não deveríamos nos ofender ou ficar surpresos de que o plantador de igrejas é diferente de outros pastores.
  • Quando os discípulos ouviram o ide de Jesus eles foram e plantaram igrejas. Quando queremos interpretar um texto bíblico temos de perguntar o que ele representa para o primeiro público de ouvintes.

Falando sobre ser missional: Se queremos nos chamar de missionais temos de pensar em nos envolver em 3 coisas:

Servir localmente, plantar em uma região mais ampla e adotar por todo planeta aquelas pessoas que não foram alcançadas pelo evangelho. Toda igreja pode participar dessa ação multifacetada da missão de Deus

Voltando a plantação de igrejas:

  • Precisamos plantar por multiplicação e não pelo financiamento, não podemos comprar nossa entrada no movimento de multiplicação de igreja, o dinheiro acaba “atrapalhando” a missão, pois o dinheiro acaba criando uma expectativa que aja mais dinheiro.
  • Tudo que existe na igreja deve já nascer grávido.
  • Abrir novos caminhos ( se queremos mais temos de abrir mais estradas)
  • Leigos plantando igrejas, pessoas de outros grupos étnicos plantando igrejas, pastores que trabalham em um emprego “secular” plantando igrejas.
  • Paulo impôs as mãos designou líderes muito mais cedo do que nós estamos dispostos a fazer. Temos de avaliar se vamos usar os métodos missionários de Paulo ou os nossos.
  • Por último, para fazermos tudo isso temos de superar o medo. Superar o medo de liberar pessoas das nossas igrejas para missões, superar o medo de que se levantarmos lideres muito cedo eles vão nos abandonar. Vencemos esses medos não fingindo que eles não existem, mas criando sistemas para apoiar nossos lideres hoje e no futuro.

Que o nome e a reputação de Jesus seja conhecido amplamente.

Obs: anotações da terceira palestra de Ed Stetzer  na conferência Atos 29.

Pedro Quintanilha ><>

Construindo sobre o fundamento correto

Tenho vivido um tempo muito bom, estou prestes a casar e iniciar uma família. Caminhando sobre princípios e esperando o tempo de Deus para que tudo aconteça da forma que tenho aprendido através do exemplo dos meus pais e irmãos em Cristo.

Creio em casamento eterno e tenho esse exemplo em casa vejo meus pais se amando cada dia mais, se respeitando, brigando sim, como todo casal normal, mas sempre resolvem tudo por meio do diálogo e da oração.

Desejo viver dessa forma com minha futura esposa Flávia, cuidar dela como vaso mais frágil, amá-la como Cristo ama sua Igreja.

Isso me faz pensar sobre o fundamento da nossa fé, durante estes  6 meses que tenho estado envolvido com a construção da minha casa e início de uma nova família, Deus tem me ensinado a descansar nele e aprender cada dia que Ele é meu Pai e provê o que precisamos.

Em se tratando de alicerce e fundamento hoje posso dizer que sei um pouco mais do que isso representa. Quando uma casa está pra ser construída, o terreno é marcado e o alicerce é feito. Se a marcação do terreno não estiver no prumo e o alicerce estiver um pouquinho torto na hora do acabamento da construção as pessoas de fora irão reparar que a casa está torta. Na hora em que a fundação é feita não da pra perceber a não ser que coloque o prumo para verificar. A medida que a casa vai sendo construída você começa a perceber que tem algo errado e se não consertar a tempo precisará usar os móveis, tapetes e outros utensílios para disfarçar o erro que foi deixado passar quando foi feita a fundação.

Uma coisa que aprendi, é que é importantíssimo ter o fundamento correto e também saber quem edifica sobre esse fundamento. Um sábio construtor põe o fundamento correto e verifica como edifica sua construção sobre esse fundamento (alicerce), pois apesar do fundamento ser a parte mais importante da construção se o complemento da edificação não estiver corretamente construído sobre o mesmo não adianta ter o fundamento correto, pois a construção será torta no fim.

Desejo iniciar minha família alicerçada no fundamento correto e construí-la sobre este fundamento.

Resumindo: O fundamento é muito importante, é a parte principal da sua construção. Veja quem está construindo e o que tem sido seu fundamento, veja como está construindo sobre esse fundamento, escolha bem com quem você irá compartilhar essa construção, esteja atendo a sua construção para que não seja necessário usar acessórios para maquiar um erro. É melhor quebrar o que está errado e consertar, mesmo que isso lhe dê trabalho.

É isso, desejo que todos decidam construir suas vidas sobre o fundamento correto.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Tocar o Céu e Transformar a Terra

Desde de janeiro de 2010 que tenho meditado, refletido e buscado praticar o que escrevo hoje. Fui muito tocado por Deus durante as ministrações do Kaká do ministério Ele Clama, na escola do Clamor de 2010, me identifiquei muito com ele e sua percepção do Reino, conversamos sobre a Igreja e o que Deus estava fazendo em Cabo Frio, ele contou sobre o que Deus estava fazendo em Contagem e em sua vida. É muito gênio quando vemos Deus operando seus planos levantando pessoas e fazendo gente de diversos lugares com suas particularidades caminharem em direção ao Seu propósito.  Andar no mesmo espírito é muito legal e é um desafio, mas é estranho ver que muita gente não consegue entrar no fluir do que Deus está fazendo e falando e isso que me motivou a escrever esse artigo.

“A que posso comparar esta geração? São como crianças que ficam sentadas nas   praças e gritam umas às outras:  ‘Nós lhes tocamos flauta, mas vocês não dançaram; cantamos um lamento, mas vocês não se entristeceram’.” Mt 11. 16,17

 Esse texto fala de algo que está acontecendo no céu, mas que não tem uma correspondência na terra.

 Só será possível tocar a terra com transformação se cooperarmos com o que Deus está fazendo. É preciso parar de pedir que ele abençoe nossas coisas e identificar por meio da oração e busca o que Ele já está fazendo e nos juntarmos a isso.

 Nós (Igreja) temos gastado muito tempo com nossas coisas, realizando nossos programas, nossas conferências, nossas reuniões, nossos shows, nossas festas, nossos grupos caseiros, nossas atividades. Não sou contra nenhuma dessas coisas ao contrário sou a favor só não gosto muito de show gospel (mas isso é pessoal).

 Temos feito muito e vemos pouco avanço, porque o avanço não tem nada haver com o muito fazer, mas sim com ver e fazer aquilo que Ele está fazendo. Precisamos nos envolver com o que Ele está envolvido.

 Com que Deus está envolvido? O que Ele está fazendo?

 Vou te dar minha leitura a respeito desse aspecto o que vejo:

 Vejo que Deus movendo a Igreja para ruas para amar as pessoas, mostrar que ele não está com raiva delas, que ele deseja curá-las sem pedir nada em troca;

 Vejo o movimento dos Santos se consolidando, os 5 ministérios consolidados e capacitando os santos para desempenharem suas funções no meio da sociedade, Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres treinando o corpo para ser como Jesus e levando o corpo a funcionar;

 Vejo imperadores evangélicos sendo destituídos do poder “Sauls” caindo e “Davis” sendo levantados;

 Vejo a Igreja tomando uma forma nunca vista antes que não é voltando ao molde da igreja primitiva, mas crescendo e evoluindo aprendendo com os erros do passado para construir um futuro glorioso;

 Vejo homens e mulheres entregando suas vidas por uma causa em comum, estes desejosos de ver mudanças radicais na sociedade;

 Vejo a Igreja crescendo de maneira horizontal se relacionando como uma rede sem fim onde Cristo é o cabeça e seu corpo se move pelo Espírito;

 Vejo barreiras denominacionais caindo no coração dos homens como o muro de Berlim e as muralhas de Jericó.

Vejo uma nova cultura sendo levantada, que não será como a subcultura evangélica que existe, vejo a cultura do Reino sendo estabelecida, uma cultura de tolerância, amor, paz, alegria, graça, verdade e justiça.

 Posso ver essas coisas acontecendo em nossos dias a despeito de muitos que só veem o mundo indo de mal a pior. Eu digo não a essa mentira, a criação anseia com ardente expectativa pela manifestação dos filhos de Deus, eu e ,provavelmente, você somos esses filhos (ruios – filhos maduros).

 Lutarei até a morte, por uma terra melhor, por pessoas melhores. Lutarei até a morte para que o Céu venha para Terra. Gastarei toda minha vida pelo Senhor Jesus aquele que venceu a morte e o inferno e me tornou coerdeiro de tudo que tem, aquele que me tornou sua justiça na terra e me incubiu de terminar o que começou. Por que Dele por meio Dele e para Ele são todas as coisas.

 Tudo depende do que agente crê isso determinará como empenharemos nossos esforços.

 Cristo em nós e através de nós é a solução para Terra.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>