Informativo para 2012 – Por Martin Scott

Anotações no início de janeiro de 2012

Deus fala

Graças a Deus porque Ele fala e não nos deixa na escuridão. Graças a Deus porque Ele não nos revela tudo. A fé exige confiança, assim como uma ação que resgata do invisível as realidades que são tão necessárias a este mundo. Graças a Deus porque o que Ele fala não é dito só para uma pessoa. Há riqueza na diversidade.

No início de um ano – incluindo o nosso calendário e o judaico, há uma expectativa de que Deus vai falar. Talvez a infinitude seja um conceito muito mais grego que judeu e apesar de sabermos que Deus não se relaciona com o tempo da mesma maneira que nós, Ele se relaciona conosco nos nossos períodos de tempo.

Eu tenho aguardado nos últimos dias por uma indicação dos céus de que há algumas perspectivas a serem liberadas e todas elas precisam ser pesadas. Aceite o que fizer sentido no Espírito.

Acordei de um sono profundo esta manhã (3 de janeiro) com um forte impulso de que era hora de me levantar e orar. Nossa casa é escura e não há relógio na cabeceira então sem noção de horário eu saí do quarto no escuro. Quando entrei na sala eu vi que eram 3:03h do dia 3 de janeiro. Então eu sei que esta é uma hora designada.

Todos temos o privilégio e a responsabilidade de vivermos com a revelação que recebemos, então quero dar o histórico (ou o cenário) por trás de algumas questões:

Dois sonhos continuam moldando como estou encarando esta década e já escrevi sobre eles antes:

1) A abertura das instituições que moldaram nossa cultura ocidental. Uma abertura para que o que está dentro possa ser visto mas novamente sendo fechado para proteger e manter as coisas como estão. A batalha para os seguidores de Jesus é abandonar o desejo de recorrer para o que é familiar

2) Esta é uma década turbulenta com uma movimentação em direção aos extremos. Há um processo de reequilíbrio incrível. Nós não podemos e não devemos esperar que as coisas sejam simplesmente restauradas. Uma era está passando. Há ciclos que começaram há 50 e outros que começaram há 500 anos que estão conectados ao que está acontecendo e estas coisas estão sendo confrontadas. Provavelmente muito está enraizado na pirataria, como algo sendo atraído e depois destruído. Pela primeira vez depois de orar hoje de manhã eu sugiro que há uma conexão entre a revolução sexual descontrolada dos anos 60 e um consequente desejo por finanças e poder também descontrolado.

Seguem outros fatores que parecem ser relevantes para a época atual:

3) Outro sonho sobre o qual já escrevi que tive há alguns meses: uma pessoa dos EUA vem me visitar durante junho ou julho de 2012 e me pergunta como a Espanha sobreviveu a crise econômica de fevereiro de 2012. Os meses de fevereiro a junho/julho são meses nos quais os que estão nestes contextos geográficos precisam estar vigilantes. A sabedoria parece dizer que estes serão meses onde mudanças repentinas nos planos precisam ser realizadas com insight verdadeiro (vou escrever algo abaixo sobre orar pela prosperidade da cidade).

4) Em 1991 eu vi filas de pessoas esperando alimento nas ruas da Europa Ocidental. Ano passado tivemos o privilégio de estar do lado de fora do prédio da igreja Filadélfia em Estocolmo, que foi construída num período de grande dificuldade econômica e a igreja estava envolvida com a alimentação de grandes grupos na mesma época.

5) Deus me deu uma palavra em 2005 sobre as eleições de 2008 e 2012 nos EUA. São anos de definições para aquela terra. Mais tarde com as Olimpíadas em Londres (40 anos depois dos ataques terroristas aos atletas em Munique… o atentado a bomba no metrô de Londres um dia após o anúncio de que as Olimpíadas seriam lá) há marcos importantes nas terras.

6) Um sonho recente durante uma época de divergência política entre nações era baseada numa resposta tipo “o que é melhor para nós”, eu ouvi uma declaração de Guerra e dediquei tempo para visitar os dois países para encorajar os cristãos a encontrarem uma forma de orarem e trabalharem para que o Reino venha, independente das fronteiras. A tristeza foi que eu não consegui encontrar ninguém para trabalhar desta maneira porque nas duas nações eles simplesmente se alinharam de forma nacional.

Então me deixem compartilhar algumas perspectivas:

Aspectos que devem ser considerados e sobre os quais devemos meditar: os espias ficaram na terra escondidos durante 3 dias (Jos. 2:22), o povo esperou 3 dias até que estivesse pronto (Jos. 3:2); foi depois de 3 dias que a hostilidade entre Saul e Davi se tornou visível (1 Sam. 20:5); foi depois de 3 dias que Ezequias foi curado (2 Reis 20:5); o terceiro dia foi marcado por desespero e desentendimento (Lucas 24:18) e obviamente esperança completa e válida para o futuro. Há material aí que sera específico para este ano.

Nesta estação imediata podemos perceber que estamos chegando ao fim de uma estação de separação e deslocamento. Em 3 dias Deus atuou na separação (criação), para estabelecer a administração. Ao final deste ano haverá oportunidade para novas conexões.(Paul Leader escreveu sobre “juntar os pontos”). O isolamento pode abrir caminho para contextos novos mas também amplos.

O que nos aguarda?

Tempos apontados, porém inesperados será uma das marcas…
Nem sempre apontamentos como que numa agenda ou calendário, mas algo que venha da esquerda do campo. Formas antigas de fazer as coisas serão desafiadas este ano apesar de existir uma voz forte proclamando “temos que retornar”. Fiquem atentas a isso nas esferas políticas e religiosas. Não há como voltar atrás. Os tempos mudaram.

Fiquem alertas a situações onde exista uma mudança de ritmo, algo que perturbe o que foi planejado e esperado. Esta situação será uma oportunidade escondida tanto para resolver questões e padrões familiares quanto para dar visão e insight.

Dias de acordar e perceber que ‘estou decepcionado e, portanto cansado sobrevirão sobre muitos. A decepção não é o problema. Mas não encará-la e procurar soluções em outros lugares não aliviará o sentimento. Eu vejo uma raiz de decepção que trouxe consigo o cansaço. (E o que vou escrever não é nem uma palavra de condenação e nem uma palavra genérica – para alguns isso será uma palavra literal de cura física) admitir a decepção será a porta para a cura. Tenha esperança novamente… mas espere em Deus.

Um de nossos chamados é orar pela prosperidade de onde estamos plantados – mesmo se for na Babilônia. Contudo, é importante que não reduzamos a prosperidade na terra a algo financeiro. Há grandes perdas a serem feitas neste ano. A frase “registrar perdas” é algo que vamos ler. A pobreza financeira não é uma bênção, mas o casamento da igreja com o nacionalismo e a prosperidade nacional que vem como resultado deste casamento empobrecerá a muitos.

Resumindo, estas são as questões que devemos enfrentar:

• Nacionalismo
• Decepção
• O familiar e um chamado pelo “ontem”
• Viver somente com a agenda/calendário

Oportunidades:

• Encontros/apontamentos não planejados e inesperados
• Contextos novos, porém amplos com os quais se conectar
• Novo descanso substituindo o cansaço para poder dormir durante a tempestade

Nota de rodapé – coincidência ou não, eu olhei para o relógio depois de algumas horas e quando eu terminei ele marcava 06:06h. Exatamente 3:03 após o início, Será que entre 3/03 e 6/06 devemos estar mais vigilantes do que estivemos antes?

Martin Scott

Traduzido por Denise De Vasconcelos Araujo

http://3generations.eu/blog/archives/5558

http://am38.rugidodoleao.com/

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Anúncios

Tocar o Céu e Transformar a Terra

Desde de janeiro de 2010 que tenho meditado, refletido e buscado praticar o que escrevo hoje. Fui muito tocado por Deus durante as ministrações do Kaká do ministério Ele Clama, na escola do Clamor de 2010, me identifiquei muito com ele e sua percepção do Reino, conversamos sobre a Igreja e o que Deus estava fazendo em Cabo Frio, ele contou sobre o que Deus estava fazendo em Contagem e em sua vida. É muito gênio quando vemos Deus operando seus planos levantando pessoas e fazendo gente de diversos lugares com suas particularidades caminharem em direção ao Seu propósito.  Andar no mesmo espírito é muito legal e é um desafio, mas é estranho ver que muita gente não consegue entrar no fluir do que Deus está fazendo e falando e isso que me motivou a escrever esse artigo.

“A que posso comparar esta geração? São como crianças que ficam sentadas nas   praças e gritam umas às outras:  ‘Nós lhes tocamos flauta, mas vocês não dançaram; cantamos um lamento, mas vocês não se entristeceram’.” Mt 11. 16,17

 Esse texto fala de algo que está acontecendo no céu, mas que não tem uma correspondência na terra.

 Só será possível tocar a terra com transformação se cooperarmos com o que Deus está fazendo. É preciso parar de pedir que ele abençoe nossas coisas e identificar por meio da oração e busca o que Ele já está fazendo e nos juntarmos a isso.

 Nós (Igreja) temos gastado muito tempo com nossas coisas, realizando nossos programas, nossas conferências, nossas reuniões, nossos shows, nossas festas, nossos grupos caseiros, nossas atividades. Não sou contra nenhuma dessas coisas ao contrário sou a favor só não gosto muito de show gospel (mas isso é pessoal).

 Temos feito muito e vemos pouco avanço, porque o avanço não tem nada haver com o muito fazer, mas sim com ver e fazer aquilo que Ele está fazendo. Precisamos nos envolver com o que Ele está envolvido.

 Com que Deus está envolvido? O que Ele está fazendo?

 Vou te dar minha leitura a respeito desse aspecto o que vejo:

 Vejo que Deus movendo a Igreja para ruas para amar as pessoas, mostrar que ele não está com raiva delas, que ele deseja curá-las sem pedir nada em troca;

 Vejo o movimento dos Santos se consolidando, os 5 ministérios consolidados e capacitando os santos para desempenharem suas funções no meio da sociedade, Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres treinando o corpo para ser como Jesus e levando o corpo a funcionar;

 Vejo imperadores evangélicos sendo destituídos do poder “Sauls” caindo e “Davis” sendo levantados;

 Vejo a Igreja tomando uma forma nunca vista antes que não é voltando ao molde da igreja primitiva, mas crescendo e evoluindo aprendendo com os erros do passado para construir um futuro glorioso;

 Vejo homens e mulheres entregando suas vidas por uma causa em comum, estes desejosos de ver mudanças radicais na sociedade;

 Vejo a Igreja crescendo de maneira horizontal se relacionando como uma rede sem fim onde Cristo é o cabeça e seu corpo se move pelo Espírito;

 Vejo barreiras denominacionais caindo no coração dos homens como o muro de Berlim e as muralhas de Jericó.

Vejo uma nova cultura sendo levantada, que não será como a subcultura evangélica que existe, vejo a cultura do Reino sendo estabelecida, uma cultura de tolerância, amor, paz, alegria, graça, verdade e justiça.

 Posso ver essas coisas acontecendo em nossos dias a despeito de muitos que só veem o mundo indo de mal a pior. Eu digo não a essa mentira, a criação anseia com ardente expectativa pela manifestação dos filhos de Deus, eu e ,provavelmente, você somos esses filhos (ruios – filhos maduros).

 Lutarei até a morte, por uma terra melhor, por pessoas melhores. Lutarei até a morte para que o Céu venha para Terra. Gastarei toda minha vida pelo Senhor Jesus aquele que venceu a morte e o inferno e me tornou coerdeiro de tudo que tem, aquele que me tornou sua justiça na terra e me incubiu de terminar o que começou. Por que Dele por meio Dele e para Ele são todas as coisas.

 Tudo depende do que agente crê isso determinará como empenharemos nossos esforços.

 Cristo em nós e através de nós é a solução para Terra.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>