O Que é Igreja?

Igreja não é templo, não é sinagoga, não é mesquita. Não é o santuário onde os fiéis se reúnem para cultuar a Deus. Igreja é gente, e não lugar. É a assembléia de pecadores perdoados; de incrédulos que se tornam crentes; de pessoas espiritualmente mortas que são espiritualmente ressuscitadas; de apáticos que passam a ter sede do Deus vivo; de soberbos que se fazem humildes; de desgarrados que voltam ao aprisco. Igreja é mistura de raças diferentes, distâncias diferentes, línguas diferentes, cores diferentes, nacionalidades diferentes, culturas diferentes, níveis diferentes, temperamentos diferentes. A única coisa não diferente na Igreja é a fé em Jesus Cristo. A Igreja não é igreja ocidental nem igreja oriental. Não é Igreja Católica Romana nem igreja protestante. Não é igreja tradicional nem igreja pentecostal. Não é igreja liberal nem igreja conservadora. Não é igreja fundamentalista nem igreja evangelical. A Igreja não é Igreja Adventista, Igreja Anglicana, Igreja Assembléia de Deus, Igreja Batista, Igreja Congregacional, Igreja Deus é Amor, Igreja Episcopal, Igreja Holiness, Igreja Luterana, Igreja Maranata, Igreja Menonita, Igreja Metodista, Igreja Morávia, Igreja Nazarena, Igreja Presbiteriana, Igreja Quadrangular, Igreja Reformada, Igreja Renascer em Cristo nem igrejas sem nome. A Igreja é católica (universal), mas não é romana. É universal (católica) mas não é a Universal do Reino de Deus. É de Jesus Cristo, mas não dos Santos dos Últimos Dias. Porque é universal, não é igreja armênia, igreja búlgara, igreja copta, igreja etíope, igreja grega, igreja russa nem igreja sérvia. Porque é de Jesus Cristo, não é de Simão Pedro, não é de Miguel Cerulário, não é de Martinho Lutero, não é de Simão Kimbangu, não é de Sun Myung Moon, não é de João Paulo II. Em todo o mundo e em toda a história, a única pessoa que pode chamar de minha a Igreja é o Senhor Jesus Cristo. Ele declarou a Cefas: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja” (Mt 16.18). Não há nada mais inescrutável e fantástico do que a Igreja de Jesus Cristo. Ela é o mais antigo, o mais universal, o mais antidiscriminatório, o mais inexpugnável e o mais misterioso de todos os agrupamentos. Dela fazem parte os que ainda vivem (igreja militante) e os que já se foram (igreja triunfante). Seus membros estão entrelaçados, mesmo que, por enquanto, não se conheçam plenamente. Todos igualmente são “concidadãos dos santos” (Ef 2.19), “co-herdeiros com Cristo” (Ef 3.6; Rm 8.17) e “co-participantes das promessas” (Ef 3.6). Eles são nada menos e nada mais do que a Família de Deus (Ef 2.19; 3.15). Ali, ninguém é corpo estranho, ninguém é estrangeiro, ninguém é de fora. É por isso que, na consumação do século, “eles serão povos de Deus e Deus mesmo estará com eles” (Ap 21.3). A Igreja de Jesus, também chamada Igreja de Deus (1 Co 1.2; 10.22; 11.22; 15.9; 1 Tm 3.5 e 15), Rebanho de Deus (1 Pe 5.2), Corpo de Cristo (1 Co 12.27) e Noiva de Cristo (Ap 21.2), tem como Esposo (Ap 21.9), Cabeça ( Cl 1.18 ) e Pastor (Hb 13.20) o próprio Jesus. A tradicional diferença entre igreja visível e igreja invisível não significa a existência de duas igrejas. A Igreja é uma só (Ef 4.4). A igreja invisível é aquela que reúne o número total de redimidos, incluindo os mortos, os vivos e os que ainda hão de nascer e se converter. Eventualmente pode incluir pecadores arrependidos que nunca freqüentaram um templo cristão nem foram batizados. Somente Deus sabe quantos e quais são: “O Senhor conhece os que lhe pertencem” (2 Tm 2.19). A igreja visível é aquela que reúne não só os redimidos, mas também os não redimidos, muito embora passem pelo batismo cristão, se declarem cristãos e possam galgar posições de liderança. É a igreja composta de trigo e joio, de verdadeiros crentes e de pseudocrentes. Dentro da igreja visível está a igreja invisível, mas dentro da igreja invisível nunca está toda a igreja visível. A Igreja de Jesus é uma só, porém é conhecida imperfeitamente na terra e perfeitamente no céu”.

Extraído da Revista Ultimato, março-abril/2002.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>

Anúncios

Abalando Céus e Terra

“Tende cuidado, não recuseis ao que fala. Pois, se não escaparam aqueles que recusaram a ouvir quem, divinamente, os advertia sobre a terra, muito menos nós, os que nos desviamos daquele que dos céus nos adverte, aquele cuja voz abalou, então, a terra; agora, porém, ele promete, dizendo: Ainda uma vez por todas, farei abalar não só a terra, mas também o céu. Ora, esta palavra: Ainda uma vez por todas significa a remoção dessas coisas abaladas, como tinham sido feitas, para que as coisas que não são abaladas permaneçam. Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor porque nosso Deus é fogo consumidor.” Hebreus 12.25-29.

No fim do ano de 2009 tive a impressão no espírito que o ano de 2010 seria um ano de prova e julgamento. A princípio não tinha entendido muito bem, mas com o passar do tempo e os acontecimento que temos visto neste ano começo a entender o que Deus está comunicando a nós. Outra questão importante é que neste ano Deus tem dado a sua igreja uma palavra de um novo tempo e uma nova história. Creio que este novo tempo e nova história irão nascer a partir de um posicionamento da igreja no que diz respeito à sua relação com Deus, uns com os outros e com os incrédulos e isso trará transformação começando com a transformação de pessoas e em seguida transformando estruturas políticas, econômicas, científicas, artísticas, familiares. Não falo de uma forma utópica dizendo que todas as nações se converteram 100% a Cristo ou que viveremos plenamente o céu nas estruturas da terra, mas creio firmemente em governos mais justos, economias mais equilibradas, menos pobreza, menos fome, famílias normais (homem e mulher), artes que expressam a beleza e grandiosidade de Deus. Tudo isso a partir do momento que a igreja, que são os sacerdotes de Deus na Terra, se posicionar e fazer o que tem de ser feito, redimir a sociedade e transformar regiões por meio da transformação de pessoas.

Temos passado por um tempo de juízo. Não precisamos ser espirituais para perceber que a terra está clamando por socorro “a criação geme pela manifestação dos filhos de Deus”. Deus está nos chamando ao arrependimento leia-se mudança de mente seguida de mudança de atitude.

Temos abaixo uma pequena lista dos acontecimentos catastróficos atuais:

  • Chuvas em Angra dos Reis
  • Terremoto no Haiti
  • Terremoto no Chile
  • Chuvas no rio de janeiro
  • Desabamento do morro do bumba em Niterói
  • Nuvem negra de fumaça na Europa causada por um vulcão em erupção
  • Desastre ecológico causado pelo vazamento de petróleo no golfo do México

É importante destacar que o terremoto do Chile mexeu com o eixo da terra e encurtou os dias em 1,6 micro segundos cumprindo assim a profecia bíblica que diz que nos últimos dias se abreviariam.

Podemos ver que este ano em um curto período de tempo ocorreram muitas catástrofes e isso pode nos levar a alguns lugares muito perigosos que são o de a partir desses acontecimentos não entendermos o que Deus está querendo nos mostrar e o pior que seria chegar ao ponto de questionarmos o caráter santo, justo e bom de Deus.

“Estes acontecimentos mexem com agente, pois somos humanos somos frágeis. Tragédias, tribulações, catástrofes mexem com nossos sentimentos abalam nossas estruturas, mas é necessário compreendermos a vontade de Deus em tudo isso. Quando compreendemos a vontade de Deus nisso nós lidamos melhor com nossas emoções, nossos sentimentos e nossos questionamentos.” Diz Samuel Bello em sua pregação Teor profético das tragédias.

Um dos problemas que temos enfrentado nos dias de hoje é que não temos conseguido discernir os sinais dos tempos vamos às escrituras e vejamos o que ela nos fala a este respeito:

“Aproximando-se os fariseus e os Saduceus tentando-o, pediram-lhe que lhe mostrasse um sinal vindo do céu. Ele, porém, lhes respondeu: Chegada à tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está avermelhado; e pela manhã: Hoje, haverá tempestade, por que o céu está um vermelho sombrio. Sabeis na verdade, discernir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal; e nenhum sinal lhe será dado, senão o de Jonas. E, deixando-os, retirou-se.” Mateus 16.1-4.

Estamos vivendo dias em que o mundo e a religião tentam fazer uma leitura dos acontecimentos na expectativa de ter um “bom tempo”, de saberem o que fazer para passar bem, pagando indulgências evangelicais pelo “melhor que está por vir”, fazendo uso de uma linguagem de Reino para viver em supostas áreas de influência em busca de benefício próprio. Temos as escrituras, temos a chave do conhecimento, mas não temos acesso à realidade que está diante de nós. Não sabemos discernir os sinais dos tempos, olhar através de uma nova perspectiva para fazer distinção entre os acontecimentos.

Sinais sempre apontam para uma intervenção do “kairos”, do tempo exato e oportuno, não estavam conseguindo ver o que Deus estava fazendo, algo que transcende o curso normal da natureza chamava a atenção deles, algo distinto de tudo o que já tinham visto os perturbava, mas não conseguiam corresponder ao tempo oportuno de viver algo preciso e perfeitamente alinhado com o plano de Deus.

Diz Anderson Bomfim em seu artigo desafios de se ter uma direção em tempos de mudança.

Nós hoje temos nos assemelhado a está geração que vive pedindo um sinal dos céus, mas não temos conseguido discernir os sinais dos tempos. Deus está nos dando muitos sinais através destes acontecimentos e precisamos entender que isto não é o fim. Isto é o começo de algo que precisa ser gerado em nós, é o começo de algo grandioso que Deus deseja fazer. Assim como o Senhor Jesus mesmo falou em Mateus 24 “aquele que perseverar até o fim esse, será salvo. E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim.”

Creio que Deus está primeiramente nos chamando para um tempo de mudança radical em nossa forma de pensar e agir e está nos levando para um tempo de preparação para que possamos avançar segundo a Sua vontade.

“Por que dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém! “ Romanos 11.36

Quais seriam os passos práticos que podemos dar para avançarmos neste caminho que Deus está nos mostrando.

  1. Não questionar o caráter santo, justo e bom de Deus;
  2. Reconhecer que ele é soberano sobre tudo e todos e tudo que ele faz é com base no amor que Ele tem por nós mesmo que não entendamos o porque;
  3. Temos de dar passos práticos em direção ao arrependimento,ou seja, reconhecer e confessar nossos pecados;
  4. Voltar-nos as escrituras, estudá-la e examina-lá cuidadosamente.
  5. Mobilizar-nos em oração, adoração e intercessão buscando a vontade de Deus e uma direção clara neste novo tempo para que a partir daí seja escrita uma nova história.
  6. Precisamos nos envolver com a terra, ou seja, cooperarmos com a preservação do meio-ambiente;
  7. Nos compadecer dos pobres e necessitados e ter atitudes de ajuda para com eles;
  8. Testemunhar de Cristo onde quer que estejamos pregando sempre o evangelho do reino, curando os enfermos e expulsando demônios.

Estes são alguns passos que nós já deveríamos ter começado a praticar, mas se ainda não temos praticado o tempo de Deus para nossas vidas se chama hoje.

“… aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar.” Tiago 1.25.

Que venha e permaneça o Seu Reino Inabalável.

No amor de Jesus,

Pedro Quintanilha ><>